People Analytics: como a análise de dados ajuda o RH

O setor de Recursos Humanos foi desenvolvido, a princípio, com foco burocrático e direcionado para a administração das variáveis associadas a pagamentos e direitos trabalhistas. Fato é que essas funções permaneceram, mas, atualmente, novas designações foram atribuídas ao RH. Hoje ele se consolida pelo importante papel estratégico do people analytics e a análise dos dados.

Nesse sentido, as novas tecnologias proporcionam condições para que a gestão de pessoas aperfeiçoe continuamente seus processos. Isso ocorre por meio da priorização dos fatores pessoais e humanos associados aos procedimentos. A proposta do people analytics é contribuir com esse contexto.

Isso acontece porque as atividades dos colaboradores criam um grande volume de informações. Esses registros podem ser manejados, mapeados e gerenciados para a geração de análises e avaliações, o que resulta em ações e previsões mais certeiras.

Quer aprender sobre análise de dados e saber como ela pode ajudar o RH da sua empresa? Confira nosso post para entender mais sobre o tema!

O que é análise de dados?

Grande parte dos procedimentos realizados pelos colaboradores na empresa gera um volume elevado de dados. Sem um sistema apropriado, é possível que esses registros apenas se acumulem de forma desordenada ou, até mesmo, se percam.

A proposta da análise de dados é usar esses itens de forma estratégica, notificando padrões associados a fenômenos que acontecem na organização. Ela é uma metodologia que trabalha em associação ao Big Data, que é uma ferramenta que faz a integração de dados de variadas fontes, realizando o cruzamento e a análise. O objetivo dessas práticas é a geração de insights, a identificação de causalidades e um melhor direcionamento de equipes e gestores.

Assim, podemos dizer que essa análise é um método que conta com a junção de informações do Big Data para práticas estratégicas. Quando aplicada ao RH, ela pode ajudar a analisar e reter talentos, avaliar desempenhos e melhorar processos de recrutamento e seleção.

Com isso, o setor de Recursos Humanos pode ter uma maior dinamicidade nas ações e também a possibilidade de estruturar uma forma de condução dos procedimentos mais preditiva e menos reativa.

Quais os benefícios que a análise de dados traz para o RH?

A análise de dados permite potencializar e dinamizar os processos no RH. Ela instrumentaliza os profissionais da área com informações estruturadas e entrecruzadas para que elas possam ser usadas de forma estratégica. A seguir, vamos detalhar os benefícios que essa tecnologia proporciona e apontar o quanto as práticas dos recursos humanos podem ser otimizadas. Veja mais!

Otimização de processos

A análise de dados possibilita ter uma série de informações precisas em mãos, que podem ser utilizadas de forma estratégica e inteligente. O sistema faz o cruzamento das diversas fontes de registros, proporcionando avaliações e reflexões precisas. 

Com essas variáveis elencadas, catalogadas e mapeadas pelo software, o gestor de RH pode conhecer as condições mais propícias para um bom rendimento. Dessa forma, ele articula uma rede de processos para que os profissionais tenham acesso a situações mais favoráveis de trabalho. Isso resulta em uma maior agilidade, redução de equívocos e diagnóstico de problemas com uma correção mais rápida de dificuldades.

No recrutamento e seleção, a análise de dados ajuda a fazer a triagem de forma otimizada. Ela também facilita a escolha do profissional ideal para a vaga. Isso acontece porque, com as informações mapeadas e cruzadas, é possível delinear um perfil mais próximo do ideal para o cargo e identificar qual candidato se aproxima mais do padrão estabelecido.

Redução de custos

A análise de dados permite fazer seleções mais rigorosas e precisas, o que ajuda na retenção de talentos. Com os perfis catalogados e sistematizados, é possível gerenciar as condições de trabalho para melhorar a produtividade e minimizar falhas e refações. O resultado desse contexto é a diminuição do turnover e o melhor aproveitamento do tempo, o que desencadeia redução de custos.

Aumento da qualidade

A análise de dados e o Big Data proporcionam um cenário em que a empresa tem, em mãos, informações precisas, cruzadas e mapeadas. Isso ajuda na identificação e correção das lacunas e auxilia no planejamento de estratégias.

Outro fator relevante é que o recrutamento e seleção é aprimorado, garantindo melhores contratações. A gestão de talentos também é aperfeiçoada, de modo a orientar os contextos para estruturas mais favoráveis para um bom rendimento. Essas variáveis resultam em uma melhora na qualidade das entregas e dos processos na corporação.

Melhora da produtividade

Conforme mencionamos, a análise de dados possibilita catalogar e mapear as variáveis que apontam as condições para melhores resultados. Com isso, é viável desenvolver medidas como realocações de cargo e recrutamentos e seleções mais favoráveis para que o profissional adequado esteja na vaga ideal para o perfil dele. Além disso, com as variáveis ambientais e psicossociais mapeadas, torna-se possível promover melhores condições e estratégias de gerenciamento de equipes mais eficazes para uma produtividade elevada.

Como fazer uma análise de dados eficiente?

Para fazer uma análise de dados eficiente, é fundamental contar com o apoio da tecnologia. Um software de gestão de recrutamento e seleção e um sistema de Big Data são imprescindíveis para o sucesso nessa ação.

Avalie lacunas na empresa e identifique qual objetivo a análise deve atender. Faça a coleta de registros e observe repetições e padrões. Em seguida, defina indicadores e métricas e encontre correlações entre as informações. Todo o procedimento deve ser feito com o apoio de sistemas informatizados.

Há muitos benefícios na análise de dados no RH, como o desenvolvimento de processos mais alinhados. A proposta permite a formação de uma gestão data driven, ou seja, aquele gerenciamento em que a tomada de decisões e o planejamento são baseados em informações coletadas, mapeadas e entrecruzadas em sistemas. Esse contexto ajuda a tornar o RH mais estratégico e, consequentemente, mais valorizado na corporação.

A análise de dados é uma metodologia que se articula ao Big Data para uma gestão eficiente da informação. Ela proporciona uma série de benefícios, como a potencialização dos processos de recrutamento e seleção e o incremento da produtividade.

Como promover a inovação no RH

A tecnologia tem sido uma das grandes responsáveis pela vasta transformação do mercado, favorecendo e endossando uma sequência de avanços, que também estão diretamente relacionados à inovação no RH.

Nas empresas modernas, a preocupação com o aperfeiçoamento das técnicas de gestão de pessoas  é cada vez mais evidente e justificável. Em um cenário competitivo e desafiador, os líderes precisam estar cientes da importância determinante de sua equipe, canalizando esforços para mantê-la engajada no propósito da organização.

Neste post, você vai entender de que forma é possível promover a inovação no RH, conhecer um pouco mais sobre as tendências da área e demonstrar a relevância dos investimentos no setor. Preparado? Vamos lá!

Quais são as tendências da área de RH?
Muito embora a tecnologia seja a protagonista de uma série de mudanças, é importante lembrar que o principal objetivo dos avanços é justamente o de melhorar a qualidade de vida das pessoas.

A mensagem, portanto, é clara: por mais que haja inúmeros recursos tecnológicos disponíveis, o essencial é empregá-los em prol do desenvolvimento e da satisfação do indivíduo. Neste caso, quando consideramos o ambiente empresarial, o RH figura como uma das áreas mais próximas devem estar das inovações tecnológicas.

Entre as tendências mais expressivas para a área de RH, a maioria está ligada à tecnologia ou é impulsionada por ela. A inovação está batendo à porta!

Comunicação interna em nuvem
A gestão efetiva de RH pressupõe que o setor esteja ativamente presente no cotidiano dos colaboradores, comunicando-se com eles de forma clara e por meio de mecanismos com os quais se identifiquem. Soa familiar? A comunicação interna em nuvem, transmitida via redes sociais e/ou dispositivos móveis, é uma tendência cada vez mais evidente no cotidiano organizacional.

Nova geração de benefícios
O velho combo salário + VR + VT não é mais suficiente para atrair, incentivar e reter a nova safra de colaboradores. Para fortalecer a atratividade e contribuir para o engajamento do profissional, é ideal que os gestores da área se dediquem a desconstruir os paradigmas que cercam a concessão de benefícios, propondo novas soluções.

Pensar nos hábitos e nas preferências dos indivíduos que compõem a equipe é um excelente caminho para começar a inovar na carteira.

Design Thinking para repensar processos
Já é hora de desfazer a imagem engessada dos processos de RH. Para revê-los com criatividade e eficiência, contudo, é válido adotar um modelo inovador que vem conquistando muitas empresas contemporâneas: o Design Thinking.

A ferramenta propõe que haja uma profunda imersão no problema e que, a partir da reflexão sobre ele, sejam desenhadas e testadas novas fórmulas para resolvê-los.

People Analytics para alavancar a produtividade
O uso de dados qualitativos e quantitativos já é bastante explorado no Marketing, mas também é viável no contexto do RH. Ao avaliar com consistência o teor das informações disponíveis sobre o público interno, é possível extrair insights valiosos para melhorar processos e aumentar a satisfação da equipe, gerando mais produtividade e engajamento.

Como promover (e defender) a inovação no RH da sua empresa?
Agora que você já está convicto de que é cada vez mais mandatório empreender mudanças significativas na área de RH, também é importante planejá-las para que possam efetivamente acontecer, gerando resultados positivos para o negócio.

É essencial que o gestor da área seja capaz de alçar às propostas aos seus superiores e de confirmar a viabilidade para aplicá-las internamente.

No esforço para aprovar as medidas de inovação no RH, é indispensável que o profissional mapeie antecipadamente a aderência das sugestões e se dedique a explicitar o ROI (retorno sobre o investimento, em tradução livre) de cada estratégia desenvolvida.