O papel do RH em tempos de crise

No dia a dia corporativo, o departamento de Recursos Humanos é imprescindível para manter a qualidade da operação e, assim, alavancar o desempenho do negócio. A missão do RH em tempo de crise não é muito diferente disso: ainda que os desafios sejam maiores — e, muitas vezes, também desconhecidos —, é preciso entender as novas demandas e atendê-las da forma mais eficiente possível.

Neste post, você entenderá um pouco mais sobre o assunto. Primeiro, abordaremos os desafios do RH em tempo de crise. Em seguida, mergulharemos nas mudanças do departamento frente às exigências do novo mercado.

Por fim, você saberá como a área de Recursos Humanos pode atuar de modo estratégico para driblar e superar a crise, maximizando os resultados da equipe e da companhia como um todo. Boa leitura e bons insights!

Os desafios do RH em tempo de crise

A pandemia de coronavírus desencadeou uma crise global. A maioria das nações precisou tomar medidas rigorosas no intuito de frear a disseminação da doença. A partir das orientações de isolamento social e em função do fechamento do comércio, grande parte dos setores do mercado sofreram impactos significativos — e agora, mais do que nunca, buscam iniciativas inovadoras e disruptivas.

Neste contexto, o RH costuma funcionar como um catalisador de negócios. Afinal, para se adaptar às novas exigências profissionais e de consumo, é preciso antecipar tendências e acelerar processos internos. A boa notícia é que os analistas de Recursos Humanos também estão preparados para atender a esse tipo de demanda!

Os desafios do RH, portanto, são multifacetados. No que tange aos colaboradores da companhia, por exemplo, a preocupação mais comum diz respeito à motivação e ao engajamento. Superar a incerteza mercadológica pressupõe disposição para revisar processos e para pensar fora da caixa. As iniciativas de comunicação e endomarketing podem ser boas alternativas para nutrir o público interno. 

A atração de talentos, por outro lado, também é uma responsabilidade ainda maior em tempos de crise. No esforço para assegurar que profissionais competentes e comprometidos integrem a equipe, contribuindo para alavancar os resultados coletivos, é necessário lidar com a insegurança e, com isso, proporcionar uma experiência mais segura, positiva e empática desde o primeiro contato.

Por fim, mas não menos importante, o time de Recursos Humanos tende a ser especialmente solicitado pela liderança. É fácil entender os motivos: ao conhecer profundamente a mentalidade — e os anseios — dos funcionários, os analistas despontam como suportes valiosos na tomada de decisão, compartilhando pareceres e análises.

Vale lembrar, ainda, que o bom funcionamento das rotinas de RH é indispensável ao gerenciamento de crises. O departamento deve auxiliar a empresas e se reinventar, de forma a promover a criatividade e inovação, assim como modelar processos alinhados às mudanças do mercado.

As mudanças do RH em tempos de crise

O universo do trabalho está em constante evolução. Um momento de crise, no entanto, torna ainda mais evidente a urgência de se adaptar a cenários diversos e desconhecidos. É exatamente isso que o RH está enfrentando neste momento, em função da pandemia de coronavírus.

As transformações são inegáveis, e a maior parte das empresas — senão todas elas — precisarão desbravar o novo panorama de mercado. Conte com o departamento de RH para isso!

Conheça, agora, algumas das principais táticas lideradas pela equipe de RH em momentos de incerteza!

Zele pela satisfação dos colaboradores

Uma equipe desmotivada pode ser fatal para qualquer negócio. A falta de produtividade, por exemplo, é um reflexo claro do desânimo e precisa ser combatida imediatamente. O RH, enquanto líder do capital humano da empresa, é o setor mais capacitado para melhorar a motivação dos profissionais.

Em tempos de crise, quando o medo e a incerteza são sentimentos bastante disseminados, torna-se ainda mais importante zelar para satisfação dos funcionários. E mais: cabe ao RH, portanto, a missão de posicionar a empresa como parceira dos colaboradores, evidenciando a disposição em ouvir as demandas e os desejos do público interno com atenção e receptividade.

Concilie interesses da companhia e dos colaboradores 

As divergências são comuns e, até certo ponto, também bastante saudáveis. Um dos maiores desafios do RH é, sem dúvida, conciliar as solicitações das duas pontas da operação: a companhia, que define metas claras e objetivas, e a equipe, que sustenta expectativas sobre tudo o que se relaciona à rotina de trabalho.

Neste aspecto, o RH deve ser um instrumento sólido de conciliação, responsabilizando-se por manter um equilíbrio sustentável e coerente entre as duas forças envolvidas — principalmente em tempos de crise.

Administre a carteira de benefícios

Uma boa carteira de benefícios corporativos faz toda a diferença no engajamento da equipe. A possibilidade de contar com vantagens personalizadas, além de adequadas às necessidades do indivíduo, reforça a mensagem positiva que a empresa deseja enviar: nós nos importamos com o seu bem-estar.

Por isso, é fundamental manter a experiência dos benefícios sem, no entanto, prejudicar as contas da companhia. Bons parceiros no setor são, de fato, imprescindíveis ao êxito da estratégia.

Como o RH pode atuar de forma estratégica durante uma crise

Não há equívoco em dizer que toda crise é, em essência, também uma oportunidade. Quando circunstâncias que fogem ao controle obrigam as lideranças corporativas a repensar decisões e estratégias, nasce a chance de inovar e, claro, de sair na frente.

A premissa não é diferente nas atribuições do RH: em momentos de insegurança, a boa gestão do capital humano é essencial para garantir a saúde e a perenidade do negócio. Ao lançar mão de projetos eficazes e aderentes, os analistas da área podem ajudar a organização a superar situações inesperadas — como é o caso, por exemplo, da pandemia de coronavírus. Confira!

Humanize processos

As crises são uma das principais causas do desemprego. Assim, afastamentos e demissões podem ser uma realidade bastante incômoda. Entretanto, um RH com processos humanizados pode suavizar as implicações negativas do processo.

A dica é praticar a empatia e explicar ao colaborador quais são as circunstâncias do negócio. Além disso, vale detalhar os direitos legais do profissional e oferecer todo o suporte necessário.

Aprimore a comunicação interna

A comunicação interna é indispensável à rotina empresarial — e seu valor é ainda mais evidente em momentos de insegurança no ambiente interno e externo. Para evitar suscitar ansiedade, estresse e medo desnecessários na equipe, o desafio é implementar um fluxo transparente de relacionamento.

Além disso, a comunicação efetiva ajuda a reter talentos e a manter a produtividade, acelerando a saída da crise. 

Estimule a criatividade

A criatividade é um dos ativos mais importantes em momentos de incerteza. É comum encontrar ocasiões em que o desconforto com a situação gerou uma disrupção muito positiva, contribuindo, inclusive, para desenvolver as operações de empresas de vários portes.

O segredo para transformar a crise em oportunidade, portanto, está no incentivo à inovação. Certifique-se de continuar fomentando atitudes proativas e ousadas no dia a dia da companhia!

Diante disso, fica nítido que a força do RH em tempo de crise é crucial para enfrentar — e superar — períodos atribulados e incertos. Explore as possibilidades e turbine os resultados da equipe!

Bem-estar corporativo e produtividade

Segundo uma pesquisa realizada pelo ISMA em nove países do mundo, o Brasil foi apontado como o segundo país com maior nível de estresse, cerca de 70% dos brasileiros sofrem deste mal. Normalmente o estresse leva a consequências como exaustão física e emocional, alinhadas ao sentimento de falta de realização profissional.

Desta forma, os programas de bem-estar corporativo devem fazer parte das organizações, pois colaboradores motivados e engajados proporcionam resultados melhores e aumentam a produtividade. Os colaboradores precisam se sentir parte da organização e caminhar junto com ela.

É neste ponto que os programas de bem-estar corporativo entram em cena, proporcionando mudanças positivas dentro do ambiente organizacional, gerando maior assertividade e melhorando o desempenho dos funcionários. Além disso, empresas que promovem o bem-estar reduzem custos com a saúde e auxiliam na prevenção de doenças crônicas.

As empresas devem direcionar seus esforços para a prevenção, e aplicar métodos adequados à cada realidade, alinhados aos valores e missão. Vemos um aumento significativo na pressão por resultados, tornando a saúde mental e física de todos os envolvidos um foco de atenção.

Os gestores devem aproveitar as novas tecnologias para criar uma cultura organizacional de bem-estar, incentivando hábitos saudáveis. Uma pesquisa da Sodexo, feita em sete países, revelou que as ações relacionadas à qualidade de vida implementadas nas organizações melhoraram o clima no trabalho para 91% delas, ocasionaram mais atração de talentos para 76%, e geraram mais produtividade para 86% e mais rentabilidade para 70%.

Os benefícios que uma rotina de atividades físicas e cuidados com a saúde trazem aos colaboradores dão um impulso fundamental para que as empresas possam se reinventar e enfrentar os desafios impostos pelo mercado, sem deixar de ser lado o fator humano.

Como promover a inovação no RH

A tecnologia tem sido uma das grandes responsáveis pela vasta transformação do mercado, favorecendo e endossando uma sequência de avanços, que também estão diretamente relacionados à inovação no RH.

Nas empresas modernas, a preocupação com o aperfeiçoamento das técnicas de gestão de pessoas  é cada vez mais evidente e justificável. Em um cenário competitivo e desafiador, os líderes precisam estar cientes da importância determinante de sua equipe, canalizando esforços para mantê-la engajada no propósito da organização.

Neste post, você vai entender de que forma é possível promover a inovação no RH, conhecer um pouco mais sobre as tendências da área e demonstrar a relevância dos investimentos no setor. Preparado? Vamos lá!

Quais são as tendências da área de RH?
Muito embora a tecnologia seja a protagonista de uma série de mudanças, é importante lembrar que o principal objetivo dos avanços é justamente o de melhorar a qualidade de vida das pessoas.

A mensagem, portanto, é clara: por mais que haja inúmeros recursos tecnológicos disponíveis, o essencial é empregá-los em prol do desenvolvimento e da satisfação do indivíduo. Neste caso, quando consideramos o ambiente empresarial, o RH figura como uma das áreas mais próximas devem estar das inovações tecnológicas.

Entre as tendências mais expressivas para a área de RH, a maioria está ligada à tecnologia ou é impulsionada por ela. A inovação está batendo à porta!

Comunicação interna em nuvem
A gestão efetiva de RH pressupõe que o setor esteja ativamente presente no cotidiano dos colaboradores, comunicando-se com eles de forma clara e por meio de mecanismos com os quais se identifiquem. Soa familiar? A comunicação interna em nuvem, transmitida via redes sociais e/ou dispositivos móveis, é uma tendência cada vez mais evidente no cotidiano organizacional.

Nova geração de benefícios
O velho combo salário + VR + VT não é mais suficiente para atrair, incentivar e reter a nova safra de colaboradores. Para fortalecer a atratividade e contribuir para o engajamento do profissional, é ideal que os gestores da área se dediquem a desconstruir os paradigmas que cercam a concessão de benefícios, propondo novas soluções.

Pensar nos hábitos e nas preferências dos indivíduos que compõem a equipe é um excelente caminho para começar a inovar na carteira.

Design Thinking para repensar processos
Já é hora de desfazer a imagem engessada dos processos de RH. Para revê-los com criatividade e eficiência, contudo, é válido adotar um modelo inovador que vem conquistando muitas empresas contemporâneas: o Design Thinking.

A ferramenta propõe que haja uma profunda imersão no problema e que, a partir da reflexão sobre ele, sejam desenhadas e testadas novas fórmulas para resolvê-los.

People Analytics para alavancar a produtividade
O uso de dados qualitativos e quantitativos já é bastante explorado no Marketing, mas também é viável no contexto do RH. Ao avaliar com consistência o teor das informações disponíveis sobre o público interno, é possível extrair insights valiosos para melhorar processos e aumentar a satisfação da equipe, gerando mais produtividade e engajamento.

Como promover (e defender) a inovação no RH da sua empresa?
Agora que você já está convicto de que é cada vez mais mandatório empreender mudanças significativas na área de RH, também é importante planejá-las para que possam efetivamente acontecer, gerando resultados positivos para o negócio.

É essencial que o gestor da área seja capaz de alçar às propostas aos seus superiores e de confirmar a viabilidade para aplicá-las internamente.

No esforço para aprovar as medidas de inovação no RH, é indispensável que o profissional mapeie antecipadamente a aderência das sugestões e se dedique a explicitar o ROI (retorno sobre o investimento, em tradução livre) de cada estratégia desenvolvida.