Como promover a inovação no RH

A tecnologia tem sido uma das grandes responsáveis pela vasta transformação do mercado, favorecendo e endossando uma sequência de avanços, que também estão diretamente relacionados à inovação no RH.

Nas empresas modernas, a preocupação com o aperfeiçoamento das técnicas de gestão de pessoas  é cada vez mais evidente e justificável. Em um cenário competitivo e desafiador, os líderes precisam estar cientes da importância determinante de sua equipe, canalizando esforços para mantê-la engajada no propósito da organização.

Neste post, você vai entender de que forma é possível promover a inovação no RH, conhecer um pouco mais sobre as tendências da área e demonstrar a relevância dos investimentos no setor. Preparado? Vamos lá!

Quais são as tendências da área de RH?
Muito embora a tecnologia seja a protagonista de uma série de mudanças, é importante lembrar que o principal objetivo dos avanços é justamente o de melhorar a qualidade de vida das pessoas.

A mensagem, portanto, é clara: por mais que haja inúmeros recursos tecnológicos disponíveis, o essencial é empregá-los em prol do desenvolvimento e da satisfação do indivíduo. Neste caso, quando consideramos o ambiente empresarial, o RH figura como uma das áreas mais próximas devem estar das inovações tecnológicas.

Entre as tendências mais expressivas para a área de RH, a maioria está ligada à tecnologia ou é impulsionada por ela. A inovação está batendo à porta!

Comunicação interna em nuvem
A gestão efetiva de RH pressupõe que o setor esteja ativamente presente no cotidiano dos colaboradores, comunicando-se com eles de forma clara e por meio de mecanismos com os quais se identifiquem. Soa familiar? A comunicação interna em nuvem, transmitida via redes sociais e/ou dispositivos móveis, é uma tendência cada vez mais evidente no cotidiano organizacional.

Nova geração de benefícios
O velho combo salário + VR + VT não é mais suficiente para atrair, incentivar e reter a nova safra de colaboradores. Para fortalecer a atratividade e contribuir para o engajamento do profissional, é ideal que os gestores da área se dediquem a desconstruir os paradigmas que cercam a concessão de benefícios, propondo novas soluções.

Pensar nos hábitos e nas preferências dos indivíduos que compõem a equipe é um excelente caminho para começar a inovar na carteira.

Design Thinking para repensar processos
Já é hora de desfazer a imagem engessada dos processos de RH. Para revê-los com criatividade e eficiência, contudo, é válido adotar um modelo inovador que vem conquistando muitas empresas contemporâneas: o Design Thinking.

A ferramenta propõe que haja uma profunda imersão no problema e que, a partir da reflexão sobre ele, sejam desenhadas e testadas novas fórmulas para resolvê-los.

People Analytics para alavancar a produtividade
O uso de dados qualitativos e quantitativos já é bastante explorado no Marketing, mas também é viável no contexto do RH. Ao avaliar com consistência o teor das informações disponíveis sobre o público interno, é possível extrair insights valiosos para melhorar processos e aumentar a satisfação da equipe, gerando mais produtividade e engajamento.

Como promover (e defender) a inovação no RH da sua empresa?
Agora que você já está convicto de que é cada vez mais mandatório empreender mudanças significativas na área de RH, também é importante planejá-las para que possam efetivamente acontecer, gerando resultados positivos para o negócio.

É essencial que o gestor da área seja capaz de alçar às propostas aos seus superiores e de confirmar a viabilidade para aplicá-las internamente.

No esforço para aprovar as medidas de inovação no RH, é indispensável que o profissional mapeie antecipadamente a aderência das sugestões e se dedique a explicitar o ROI (retorno sobre o investimento, em tradução livre) de cada estratégia desenvolvida.

Recrutamento & Seleção: Veja 5 fatores que tornam a vaga atraente

O principal objetivo da seleção de funcionários é recrutar os melhores colaboradores para os quadros da empresa. Contudo, entre a intenção e a concretização desse plano, existe uma série de medidas que precisam ser tomadas.

Uma delas é a elaboração de um anúncio atraente, capaz de estimular os melhores profissionais de um setor a investirem em um processo seletivo.

Por isso, se você é responsável por um negócio e quer melhorar a eficiência nas rotinas de captação de talentos, continue a leitura e faça uma checklist dos 5 fatores que tornam uma vaga atraente!

1. Exigir apenas o essencial
Seja em termos de quantidade (mais requisitos), seja em termos de qualidade (requisitos mais específicos), o excesso de obstáculos para participar da seleção de funcionários acaba afastando bons candidatos.

Isso ocorre porque a combinação de competências reduz a chance de encontrar uma pessoa que atenda aos requisitos. Por exemplo, o número de contadores que falam francês é menor do que o número total de contadores.

Nesse sentido, o ideal é focar em uma descrição sucinta e apenas com exigências essenciais para o desenvolvimento das tarefas do cargo. Isso porque, em etapas futuras, poderemos avaliar mais conscientemente quem é a melhor opção para ocupar a vaga.

2. Descrever as funções corretamente
Além da exposição de requisitos, uma informação indispensável de qualquer anúncio é a descrição do conjunto de tarefas de um cargo.

As funções alteram a base de avaliação do candidato e podem levar à desistência de profissionais qualificados, porque serão seus principais deveres dentro da empresa.

Por exemplo, uma descrição genérica pode afastar candidatos especializados, como um advogado tributarista diante de uma vaga genérica no setor jurídico.

Sendo assim, precisamos cuidar para que o anúncio contenha informações próximas da realidade, resumindo o que será, de fato, exigido no dia a dia.

3. Expor o salário de maneira clara
O salário ainda é um dos maiores atrativos de qualquer emprego, uma vez que, por meio dele, o profissional planeja suas despesas e investimentos futuros.

Nesse sentido, ao comparar duas oportunidades, o candidato verifica, primeiro, a diferença salarial entre elas e, posteriormente, atribui peso aos benefícios.

Logo, a remuneração deve estar dentro dos parâmetros de mercado e exposta de maneira clara na descrição da vaga.

4. Oferecer benefícios
Investir em um processo seletivo demanda tempo, esforço, dinheiro e outros recursos do profissional, bem como a opção por algumas oportunidades em detrimento de outras.

Por isso, vales-transporte, refeição, combustível, cultura e planos de saúde precisam constar de forma clara e explícita nos anúncios de vaga.

Esses benefícios certamente farão com que a balança penda para o lado da nossa empresa no momento de uma decisão.

5. Ter um plano de carreira
O planejamento de longo prazo é outro fator que pesa nas escolhas profissionais, especialmente diante de pessoas cada vez mais preocupadas com o futuro.

Com efeito, a menção a planos de carreira e possibilidades de crescimento dentro da empresa não só é positiva como pode ser o diferencial de uma vaga.

Aliando esse fator aos demais itens mencionados, a seleção de funcionários da sua empresa será muito mais atrativa e certamente despertará o interesse de profissionais capacitados.

 

Gestão horizontal: 5 ideias para implementar

A gestão horizontal se baseia em dois pilares: autonomia e diálogo. Os princípios se refletem na maneira como as decisões são tomadas: sempre após um consenso entre os colaboradores.

O modelo pode ser aplicado de diferentes formas. Existem organizações que optam por eliminar todos os níveis de hierarquia e outras que preferem manter os cargos de chefia, enquanto alguns departamentos são auto gerenciáveis. Empresas como Google e Netflix adotam a gestão horizontal.

Entre os benefícios dessa estrutura estão o maior engajamento dos funcionários e um ambiente de trabalho mais produtivo, que eleva a satisfação do consumidor final.

Veja cinco ideias da gestão horizontal que podem ser aplicadas nas empresas:

1. Abra um canal de diálogo para interação
O primeiro passo é compreender como os canais de diálogo da empresa podem se tornar mais colaborativos. A abertura desses espaços diminui o ruído na comunicação interna e motiva o funcionário, que passa a acreditar que é parte importante do processo de decisões.

Com a gestão horizontal, a comunicação ocorre no mesmo sentido, e a informação que ficava concentrada nos cargos mais importantes passa a fluir pela empresa. Exemplo disso são as consultas via internet/intranet, que reduzem a necessidade de contato pessoal com os cargos de gerência.

2. Incentive o contato entre diferentes áreas e cargos
Uma das propostas principais da horizontalidade está na colaboração entre diferentes áreas da empresa. Os funcionários ficam livres para propor ideias e debater sobre uma proposta, ainda que as equipes tenham autonomia sobre seus projetos.

A diversidade de ideias faz com que seja mais fácil alcançar soluções inovadoras com número menor de pontos fracos, já que eles podem ser observados sob diferentes áreas do conhecimento.

3. Promova a autonomia dos funcionários
Outra etapa importante é a de atribuir autonomia aos colaboradores, ou empowerment.

Com a extinção dos cargos, os funcionários não são mais motivados a galgar posições na empresa, o que diminui o tempo dedicado a disputas internas e aumenta a necessidade de uma figura de liderança. Contudo, em uma gestão horizontal, quem ocupa esse lugar não é visto da mesma maneira que um chefe tradicional, mas como um facilitador de atividades.

O modelo leva tempo para ser incorporado, mas apresenta uma série de vantagens a longo prazo. Uma delas é a rapidez com que os funcionários acabam absorvendo o aprendizado, tornando o processo de decisão mais rápido. Isso acelera a capacidade de resposta da organização para seus clientes e abre uma vantagem da empresa em relação aos concorrentes.

4. Selecione bem os candidatos na contratação
Com uma estrutura de organização pouco convencional, é importante que os futuros funcionários estejam bem alinhados com a cultura que a empresa deseja promover.

No processo de recrutamento, procure candidatos que se sintam estimulados a enfrentar desafios, tenham capacidade de dar respostas rápidas e que consigam organizar o próprio tempo, já que não haverá um chefe monitorando suas atividades.

Além dessas características, o candidato deve ser proativo e capaz de pensar estrategicamente, pois ele terá a oportunidade de tomar atitudes que vão repercutir por muito tempo na empresa.

5. Defina um código de conduta
Mesmo contando com uma estrutura baseada na autogestão e no comprometimento dos colaboradores, é importante ter um código de conduta bem estruturado, pois os conflitos organizacionais não vão deixar de existir.

Aproveite o novo conjunto de regras para aperfeiçoar aspectos da cultura organizacional. Privilegie aspectos que cultivem o bom relacionamento entre funcionários e que desenvolvam a responsabilidade e o empowerment diário.

Use os canais de comunicação como meio para receber sugestões. Lembre que o sucesso da aplicação de um código de conduta está diretamente ligado ao nível de participação do funcionário em sua elaboração.

Conheça 4 pilares da gestão de pessoas

A gestão de pessoas exerce um papel fundamental dentro de qualquer organização. É por meio dela que é fortalecido o engajamento entre funcionário e empresa, garantindo que o capital humano esteja sempre motivado, em desenvolvimento e alinhado às visões e objetivos da corporação.

Conhecer os principais pilares da gestão de pessoas é importante para a criação de ações estratégicas nesse sentido — e é importante destacar que cada vez mais empresas vêm percebendo a importância de pensar nos colaboradores como peças-chave para seu funcionamento, preocupando-se, assim, com o seu bem-estar, qualidade de vida e saúde.

1. Treinamento e desenvolvimento
Investir no desenvolvimento dos times de trabalho — por meio de treinamentos, workshops e demais ações que estimulem à busca ao aprendizado contínuo — é, também, investir no crescimento da empresa. Isso porque, por mais que o negócio apresente um produto ou solução eficiente, serão sempre as pessoas as responsáveis por manter a engrenagem da organização funcionando. Nesse sentido, quanto mais capacitadas elas forem, melhores serão as entregas, tanto em produtividade quanto em qualidade.

2. Motivação
Acima, tocamos em um aspecto fundamental para todo negócio: a produtividade das equipes. O principal segredo para mantê-la sempre em níveis satisfatórios é justamente a motivação. Sem ela, dificilmente o colaborador terá motivos para dar o seu melhor. Afinal, por que ele vestirá a camisa do time e cumprirá com suas funções com excelência quando não há incentivo, muito menos uma valorização de seus esforços?

Aqui, é importante que as empresas saibam agir de forma estratégica, não só reconhecendo o trabalho de seus funcionários e dando feedbacks constantes, como também oferecendo a eles um programa de benefícios corporativos atraentes.

3. Trabalho em equipe
Toda empresa é uma estrutura que, para funcionar, deve contar com um objetivo comum para todos. Mesmo que a organização conte com inúmeros setores, não faz sentido se o trabalho entre eles for completamente independente, com os seus próprios objetivos e sem ligação com os demais. Por isso, um dos mais importantes pilares da gestão de pessoas é a promoção do trabalho em equipe.

4. Comunicação
Para que todos os pilares que citamos até então, de fato, tragam resultados, é essencial que seja implementada uma comunicação clara e integrada na empresa — ou seja, não só entre os gestores ou funcionários de um mesmo setor, mas envolvendo todos os segmentos do negócio.

Para isso, a gestão de pessoas deve buscar sempre incentivar o diálogo, quebrando as “barreiras” hierárquicas (facilitando o acesso aos líderes) e mantendo uma transparência nas informações, de forma que elas estejam sempre disponíveis para todos.

Colocar esses 4 principais pilares da gestão de pessoas em prática, sobretudo oferecendo ferramentas que colaborem com a sua saúde e bem-estar, é um grande diferencial competitivo. Traz resultados como atração e retenção de talentos, maior produtividade e, consequentemente, mais lucro.

Como o podcast pode te ajudar na gestão de pessoas

Uma das maiores tendências atuais para acompanhar a sua área de especialidade, negócio ou até para adquirir conhecimento para aplicar nos seus projetos são os podcasts.

O que são podcasts?
O termo podcast surgiu da junção de Ipod + Broadcast (transmissão via rádio).

Trata-se de mídia por áudio para compartilhamento de ideias e opiniões, discussões sobre assuntos atuais ou uma simples conversa irreverente.

Ainda que hoje exista tantos atrativos tecnológicos que chamam nossa atenção, essa mesma tecnologia nos traz ferramentas digitais com conhecimentos profundos sobre variados temas, basta que a pessoa busque conteúdos relevantes e de autoridades, para sua própria evolução pessoal e profissional.

Os podcasts são uma dessas ferramentas, arquivos eletrônicos em formato de áudio, que são gravados por especialistas em determinados assuntos, geralmente de curta duração, variando entre 5 e 20 minutos, que transmitem conhecimentos rapidamente absorvidos.

Um benefício do áudio é a possibilidade de ouvi-lo enquanto realiza outras atividades ou tarefas, otimizando seu tempo e conhecimento. No caso do podcast, é uma ferramenta de comunicação de boa qualidade, que permite ao ouvinte, pausar, recomeçar ou retomar de onde parou, a qualquer momento e quantas vezes forem necessárias.

Podem ser baixados para um dispositivo móvel – player, celular, tablet – facilitando sua reprodução a qualquer tempo e em qualquer lugar. Sendo assim, enquanto você dirige, pode ouvi-lo; ou mesmo enquanto pratica alguma atividade física em parque ou academia; enquanto está indo ou voltando do trabalho no ônibus ou metrô; enquanto arruma a casa ou realiza qualquer outra tarefa.

Separamos seis canais de podcasts, em português ou inglês, relacionados à gestão de pessoas, recursos humanos e empreendedorismo, que têm dicas valiosas sobre produtividade, relacionamento, liderança, desenvolvimento de pessoas e muito mais sobre o universo do RH.

1 – 5’ PM Podcasts: No site de Ricardo Vargas, especialista em gerenciamento de projetos e execução de estratégias, por meio de podcasts com duração de no máximo cinco minutos, ele passa dicas ligadas ao seu tema central, apontando soluções para problemas e dificuldades que os gestores de empresas e empreendedores possam enfrentar.

2 – AprendocastUm espaço onde diversos especialistas compartilham suas experiências profissionais e conhecimentos, por meio dos podcasts, debatendo sobre assuntos ligados a RH, políticas de gestão de pessoas, liderança e outros, com possibilidade de cadastro para receber outros conteúdos direto em seu e-mail.

3 – Like a Boss: Com o objetivo de auxiliar líderes de sucesso por meio de séries com temporadas e episódios inéditos sempre à mão, os fundadores desse canal de podcasts, usaram esse formato para atrair os usuários, entregando conteúdos de qualidade sobre cases de sucesso, empresas, ideias inovadoras, metodologias, empreendedorismo e muitos outros temas que todo gestor precisa conhecer.

4 – SolidesUma empresa detentora de um software especializado em traçar perfil comportamental para processos seletivos, auxílio na contratação, gestão e desenvolvimento de pessoas, que por meio de seu site disponibiliza uma série de materiais gratuitos sobre gestão de RH, inclusive os podcasts com assuntos importantes que ajudam a estruturar todo o setor de recursos humanos de uma empresa.

5 – The FoundationCanal em inglês, que disponibiliza tanto podcasts, como vídeos, os quais empresários e outros especialistas são entrevistados para abordar temas sobre mercados, negócios, variados setores econômicos e estudos de casos de sucesso.

6 – This is your lifeOutro canal em inglês dedicado à liderança. São áudios com foco em líderes de gestão de pessoas, que enfrentam desafios naturais do setor, no dia a dia das empresas, buscando obter soluções, dicas e conhecimentos sobre como lidar de forma positiva com as pessoas.

Pesquisa de Clima Organizacional: o que é e quais as vantagens

Você já ouviu falar sobre pesquisa de clima organizacional? Tem ideia do que isso significa ou qual é o objetivo disso? Bem, se você nunca ouviu falar sobre tal, ou então ainda tem dúvidas sobre a pesquisa de clima organizacional, neste texto você ficará por dentro de tudo sobre este tema.

A pesquisa de clima organizacional é uma maneira utilizada para coletar diversos tipos de dados, trazendo sempre muitas informações relevantes sobre qual está sendo a percepção dos funcionários ou colaboradores em relação a muitos fatores que podem até mesmo afetar o seu desenvolvimento e motivação dentro de uma empresa.

Por exemplo, uma pessoa que trabalha em um ambiente de trabalho com muito barulho pode afetar o seu rendimento, com isso, a pesquisa de clima organizacional vai realizar uma série de análises sobre pontos específicos para que seja feito um levantamento de dados que comprovem o porquê de um funcionário ter um baixo ou também alto rendimento.

Qual é o objetivo da pesquisa de clima organizacional?
Muitas empresas nos dias de hoje estão aderindo a pesquisa de clima organizacional, afinal de contas, com ela é possível verificar tudo o que está acontecendo dentro de uma empresa e ainda melhorar diversos pontos.

Existem muitos objetivos que levam a qualquer tipo de empresa a aderir a pesquisa, entre eles, podemos dizer que um dos principais é o fato de avaliar qual está sendo o grau de satisfação dos funcionários em relação a organização, assim, ao detectar qual é a falha da empresa, é possível solucionar o problema com muita facilidade.

Além disso, com a pesquisa também é possível criar uma comunicação direta entre os colaboradores, porque existem muitas empresas que acabam até mesmo falindo pela falta de diálogo entre funcionários, chefes e outros departamentos que não se comunicam.

O que é pesquisa de clima organizacional?
E também, a pesquisa de clima organizacional é uma das melhores maneiras de promover uma série de mudanças para melhor dentro de uma empresa. Afinal de contas, todos vão dar opiniões para que tenha a finalidade de melhorar o local onde trabalham.

Dessa forma, a pesquisa possibilita ser um dos principais meios para avaliar o seu desempenho, planejar ações e sempre trabalhar em busca de um processo de melhoria contínua, proporcionando um ambiente agradável para todos diariamente.