O perfil do líder na era digital

A transformação tecnológica está presente no dia a dia da maioria das pessoas e organizações. Mas, apesar de trazer vantagens competitivas e ter relevante poder de impacto, muitos profissionais ainda oferecem algum tipo de resistência a tais mudanças. Entretanto, para ser um bom líder na era digital, é preciso modificar a forma de pensar e agir.

Liderar neste novo tempo exigirá dos gestores e das empresas uma constante renovação. Isso significa combinar o melhor da inteligência e da expertise humana com o que as máquinas podem apresentar de mais moderno. O resultado será uma organização habilitada para a tecnologia e uma liderança inovadora.

Continue a leitura deste post e veja algumas das habilidades que um líder deverá desenvolver para se manter à frente dos concorrentes!

O LÍDER NA ERA DIGITAL

Ser um líder completo na era digital é bem mais do que utilizar os instrumentos de TI e saber lidar com as inovações dessa área. Demonstrar um conhecimento profundo no seu campo de atuação é essencial, bem como ter o domínio das novas tendências.

Contudo, isso não é o suficiente. Os gestores precisam entender que, para que suas estratégias obtenham êxito, eles dependem das pessoas. Caso contrário, haverá um acúmulo de aparelhagens tecnológicas nas empresas, porém, sem um objetivo bem definido.

A fórmula para o sucesso dos negócios é complexa, mas eficaz. Trata-se de uma combinação que envolve capacidade de adaptação, motivação, energia, persistência, inteligência, aprendizado constante, curiosidade, habilidades digitais e especialização.

MODELO DE LÍDER 3PS

A Right Management, empresa especialista mundial em talentos e carreira, desenvolveu uma ferramenta para identificar e estimular líderes digitais: o Modelo de Líder 3Ps (Pessoas, Propósito, Performance).

Com base em uma avaliação de competências de liderança feita com mais de 13 mil líderes em diversos setores, esse modelo permite que seja feita a identificação das características inerentes aos gestores e das competências que podem ser adquiridas por meio de treinamentos que ajudam a desenvolver líderes preparados para a era digital.

Dessa forma, é possível alavancar líderes digitais, facilitando a transformação entre os colaboradores. Ao organizar a força de trabalho, à medida que passam por mudanças, as empresas podem garantir o engajamento das equipes, a mobilidade da carreira de seus profissionais e a sua requalificação.

Se os líderes atuais e futuros tiverem uma base sólida, a execução de suas funções auxiliará não só os seus liderados, mas a empresa em sua totalidade. E para exemplificar a importância desse fato, abordamos, abaixo, algumas ações que devem ser adotadas por eles. Observe:

DESENVOLVER UMA CULTURA INOVADORA

A cultura organizacional é responsável, em grande parte, por elevar uma empresa a um patamar superior ou por fazê-la permanecer na inércia e, em alguns casos, levá-la à falência.

A preparação para as transformações parte, principalmente, de uma mentalidade aberta. Isso implica uma liderança que esteja disposta a assumir riscos calculados e aprender com os fracassos.

As mudanças começam de cima, com líderes que se posicionam junto aos seus liderados de forma diferente. O líder precisa ser um modelo — deve estar sempre em busca de diferentes experiências, de perspectivas incomuns e disposto a aceitar novas ideias.

Na era digital, um fator decisivo para a liderança é a capacidade de adequar a cultura corporativa. Por meio da inovação, é possível obter vantagens das tecnologias emergentes, abraçando novas estratégias que impulsionarão o pensamento crítico e a utilização de ferramentas diversificadas.

Métricas e resultados não são mais os únicos objetivos. Dessa maneira, se faz necessário trabalhar a cultura, para que ela permita aos colaboradores serem participativos, criando um espaço no qual as pessoas possam falar e sejam realmente ouvidas. É preciso fomentar a criatividade e a experimentação.

LIDAR COM PERFIS DIFERENTES DE COLABORADORES

Geração X, Y, Millennials etc. Para além das denominações, é importante que o líder reconheça o fato de que está lidando com pessoas que têm perfis diferentes. Não saber como manejar a equipe pode gerar confusões e intermináveis disputas internas.

O perfil desse gestor se torna muito mais colaborativo, trazendo o time consigo para realizar as conquistas. Tal líder é desafiado a conhecer bem os membros da sua equipe. Desse modo, ele saberá o que motiva cada um e poderá extrair o melhor do indivíduo em prol do coletivo.

Para tanto, deve haver sensibilidade e aceitação dos distintos formatos de trabalho, pois, quando os grupos são heterogêneos, há mais diversidade de opiniões. Isso quer dizer, por exemplo, que alguns colaboradores são mais produtivos em determinadas condições de trabalho e outros necessitam de padrões diferentes.

COLOCAR AS PESSOAS EM PRIMEIRO LUGAR

As pessoas precisam ter suas necessidades supridas. Quando transpomos essa realidade para as organizações, tocamos diretamente nas funções da liderança, pois cabe ao líder saber o que é preciso para manter os indivíduos de sua equipe satisfeitos.

Ainda que a tecnologia ganhe cada vez mais destaque nas empresas, uma coisa jamais mudará: o relacionamento entre líderes e profissionais deve ser humanizado. A liderança não pode focar apenas o que ela acredita que deva ser realizado, mas também o que o time espera que seja feito.

Nesse contexto, a comunicação é um instrumento de alta relevância. A possibilidade de realizar conversas a distância, individualmente ou com um grupo de pessoas em vários locais, simultaneamente, exige do líder um olhar mais atento para a sua audiência e para as informações transmitidas. Afinal, o que importa é a correta decodificação da mensagem, ou seja, o receptor.

DEIXAR FORMAS TRADICIONAIS E CENTRALIZADORAS DE LIDERANÇA DE LADO

O crescimento da internet possibilitou o acesso em massa a informações que, em outros tempos, eram detidas apenas por figuras centralizadas, como professores, pais e líderes. Com isso, a dependência por hierarquias tem se tornado cada vez menor.

Se, antes, a empresa era a responsável por trazer inovações aos seus processos, hoje, os colaboradores é que apresentam novas ferramentas tecnológicas à organização. A autonomia e a independência estão gerando novas formas de cooperação, reorganizando as instituições como um todo.

Assim sendo, para que não fique obsoleto, o líder deve criar possibilidades de conexão, promovendo a cooperação mútua, com troca de informações e conhecimentos. Isso faz com que cada colaborador se sinta, e se comporte, como um empreendedor, e não como alguém que apenas segue as ordens que lhe são direcionadas.

O papel do líder na era digital é mais de mentor do que de um professor. A posição de autoridade ainda existe, mas o chefe não é mais o detentor de todo o poder. Resistir a essa nova forma de operar pode impedir que a equipe alcance uma performance mais eficiente.

É possível notar que as habilidades exigidas do líder na era digital estão interligadas. Torna-se praticamente impossível desenvolver uma sem que haja a participação da outra. E é isto que os líderes devem ter em mente: impulsionar a estratégia da organização, estabelecendo a cultura e fornecendo uma visão clara e um norte para os seus liderados, sem deixar de dar a eles a liberdade e a autonomia para exercerem o seu trabalho.