Relacionamento entre RH e empreendedorismo vai gerar maior escalabilidade no negócio após a crise

Desde a Revolução Industrial, o RH é o centro estratégico de uma empresa, principalmente diante de um novo cenário global ocasionado por uma pandemia. Empreendedores que vão retomar seus negócios ou pôr em prática novos projetos precisam entender, antes de tudo, que as pessoas são o ativo mais valioso dentro de uma corporação e é por meio delas que se pode alcançar objetivos e vencer desafios.

A área de recursos humanos é responsável por fazer as coisas funcionarem. Sem pessoas e colaboradores que exercem suas funções com êxito, não há empresa que se sustente. Por esse motivo, é fundamental redobrar a atenção para esse setor, no momento em que um empreendimento for estruturado. O estudo Sólides Report levantou informações com as mais de 1.500 instituições parceiras e apontou que não é exagero dizer que o sucesso de qualquer negócio depende de seus funcionários, desde que cada um esteja na função adequada.

Em linhas gerais, o empreendedorismo e o RH não devem ser pensados como atividades distintas. Em meio a essa realidade que o mundo corporativo está vivendo, desenvolver um departamento de recursos humanos bem estabelecido dentro de uma companhia pode diminuir gastos, aumentar a produtividade, integrar funcionários, melhorar processos e proporcionar melhor comunicação interna. Existem tecnologias que corroboram com essa gestão e que podem ser utilizadas dentro do setor de RH, contribuindo para o sucesso.

É visível que as corporações estão lidando com uma nova Revolução Industrial onde a realidade dentro das empresas mudou completamente. Há um novo cenário sendo construído nas companhias onde o grande papel do gestor é focar, mais do que nunca, na eficiência operacional dos colaboradores e criar processos cada vez mais eficazes. Para garantir a retomada de um negócio neste momento de crise, é preciso que o empreendedor tenha esse enfoque.

É tempo de adaptação e criação de processos cada vez mais inteligentes, mas para isso, é preciso apostar na tecnologia – o jeito mais rápido, fácil e barato para se ganhar eficiência dentro das corporações.

Está mais do que na hora de revermos práticas, traçarmos avaliações mais constantes dos processos internos, pois não faz mais sentido seguirmos um modelo desconectado com a velocidade em relação ao tempo em que estamos vivendo. É preciso investir em modelos cada vez mais ágeis dentro das empresas. O RH precisa embarcar em uma era da tecnologia, pois historicamente é ela quem ajuda as corporações, sejam elas grandes ou pequenas a terem significativa redução de custo e eficiência corporativa e é exatamente a tecnologia que vai ditando o comportamento de como gerir pessoas ao longo do tempo.

O mundo em que vivíamos não existe mais. Estamos construindo um novo cenário e a grande sacada é aprendermos com as experiências do passado. Devemos praticar o desapego da vida corporativa que tínhamos antes para adotarmos novos modelos de negócios.

Empreendedorismo Feminino: oportunidade e empoderamento

Empreendedorismo feminino é um assunto que ganha cada vez mais atenção. Além de promover forte debate sobre a posição da mulher no campo empresarial, gera transformações na sociedade e na economia de todo o país.

Hoje, 9,3 milhões mulheres estão à frente de um negócio no país, representando 34% do número total de empreendedores formais ou informais no Brasil.

Nos últimos anos, as donas de negócio passaram a ocupar a principal posição em casa. 

Neste artigo, vamos mostrar a importância do empreendedorismo feminino não apenas em seu contexto social com empoderamento da mulher, mas também em seu cunho econômico. Além disso, vamos mostrar algumas empresas, cujas são mulheres, que têm grande relevância no mercado.

O papel do empreendedorismo feminino

Em teoria, esse conceito diz respeito aos negócios que são criados e geridos por mulheres. Porém, na prática, ele vai além dessa definição.

O empreendedorismo feminino diz respeito à liderança feminina e amplia a visibilidade das mulheres, contribuindo para o rompimento de várias barreiras sociais estigmatizadas.

Por exemplo:

Em um ambiente de negócios – que, precisamos admitir, é majoritariamente masculino -, a imagem do sucesso está, muitas vezes, ligada à figura de força e autoridade do homem. Por isso, a mulher se depara com muitos obstáculos para conseguir empreender, ser levada a sério por parceiros e ser reconhecida.

A revolução que o empreendedorismo feminino encabeça é aquela que propõe a revisão do antigo pensamento e modelo social do homem como figura única de autoridade. Assim, aos poucos, transforma o ambiente empresarial em mais inclusivo e inovador.

O empreendedorismo feminino surge, então, como forma de enfrentamento ao empreendedorismo tradicional, que é conduzido e pensado por homens de acordo com suas próprias regras e conceitos de sucesso.

Ao impulsionar uma forma diferente de pensar os negócios, as mulheres conquistam protagonismo e mais espaço, bem como reconhecimento e satisfação na vida pessoal e profissional.

Além disso, acabam gerando um aumento na renda familiar, gerando mais empregos e abrindo as portas do mercado para cada vez mais mulheres.

O impacto na economia brasileira

Em um contexto histórico, as mulheres começam a se inserir no mercado de trabalho na Revolução Industrial. No Brasil, as mulheres ganharam mais espaço no Movimento Sindical de 1980 e, com a Constituição de 88, elas conquistaram a igualdade jurídica, sendo consideradas legalmente com os mesmo direitos do homens.

Apesar de as dores e riscos do empreendedorismo serem menores para os homens, com o passar dos anos as mulheres se tornaram as principais empresárias de alguns setores da economia do país.

Hoje, de acordo com o relatório executivo mais recente do Sebrae, mais de 35% das empresas do Brasil são de mulheres. Só em 2018, em torno de 51% dos novos negócios criados no país pertenciam a mulheres (dado: Global Entrepreneurship Monitor).

Esse número tem uma possível explicação: as mulheres têm buscado o empreendedorismo como modo de driblar não apenas o desemprego, mas de cruzar a insatisfação com os salários desproporcionais com a necessidade de mais tempo em casa.

Isso se reflete nos dados apresentados pelo Governo Federal, onde 3 em cada 4 lares são chefiados por mulheres e, deste número, 41% já tem o próprio negócio. Elesgeralmente, são voltados para varejo e serviços.

Os principais desafios para mulheres empreendedoras

Apesar do progresso ter sido grande nos últimos anos, o cenário atual nos mostra que ainda existem muitos avanços a serem feitos.

Além do preconceito, um dos principais desafios que mulheres enfrentam no mercado de trabalho está relacionado à autoconfiança e ao medo de falhar, especialmente quando envolve filhos e família.

Para superar essas barreiras, as mulheres buscam aliar aspectos comportamentais e técnicos para estarem cada vez mais seguras e preparadas para administração do negócio.

Embora haja certa intimidação na hora de negociar e entender propostas, é importante seguir articulando e ampliando seu espaço de forma ativa e empoderada.

Como dizemos aqui: é preciso cavar uma bandeira no seu espaço.

Inspiração: Mulheres empreendedoras

Já não resta dúvidas: a mulher tem buscado diversificar de trabalhar, sustentar a família e ter independência financeira.

As brasileiras têm alcançado maior índice de escolaridade e se destacam na participação econômica, com ótimas ações de empreendedorismo feminino.

Para te inspirar nesse momento de decisão, separamos alguns exemplos de grandes empresárias do Brasil e ao redor do mundo. Confira:

Camila Farani

Camila Farani é um dos “tubarões” do programa Shark Tank Brasil, a única mulher bicampeã premiada como Melhor Investidora-Anjo no Startup Awards de 2016 e 2018.

Ela também é sócia-fundadora da G2 Capital, uma butique de investimentos em empresas de tecnologia e tem participação como sócia e criadora do Grupo Boxx (alimentação) e Innovaty (educação).

Mas todo esse sucesso não veio do dia para a noite…

Camila começou logo cedo a vivenciar os problemas reais de se empreender em um país como o Brasil. Perdeu o pai aos quatro anos e foi então que sua mãe decidiu abrir uma tabacaria no Rio de Janeiro.

Aos 16 anos, quando Camila trabalhava na empresa da família, fez uma ousada proposta para sua mãe: aumentar em 30% o faturamento do negócio em um determinado prazo.

Na sua estratégia, implementou uma pequena inovação que era oferecer café gelado aos clientes. Se o desafio proposto tivesse êxito, ela passaria a ter porcentagem da empresa.

Pouco tempo depois, aos 21 anos, ela propôs outra inovação na empresa familiar: passou a servir, na área de café, coquetéis da bebida. Com o crescimento das vendas, conseguiu fechar sociedade com sua mãe e, desde então, não parou mais de atuar no mundo do empreendedorismo.

Kylie Jenner

Kylie Jenner, de 20 anos, lançou, em 2016, a Kylie Cosmetics. A empresa começou vendendo online “lip kits” contendo um batom líquido e lápis para boca, tudo por 29 dólares.

Desde então, ela já gerou mais de US$ 360 milhões (quase R$ 1,36 bilhão) em vendas em 2018 (alta de 9% em relação ao ano anterior), segundo estimativas.

Hoje, ela é a mais jovem empreendedora a se tornar bilionária, ultrapassando Mark Zuckerberg, do Facebook. Com 20 anos, ela é a mais nova das 60 mulheres no ranking de empreendedoras mais ricas, ocupando a 27ª posição.

Kylie conseguiu superar o sucesso de suas irmãs, Khloe Kardashian, Kourtney Kardashian e Kim Kardashian e construiu seu próprio império, se tornando além de uma grande empreendedora, mãe e influencer, mas um grande nome no ramo de beleza e cosméticos.

Luiza Helena Trajano

Luiza Helena Trajano é sinônimo de vitória! Ela é uma das três mulheres mais poderosas do Brasil, segundo a revista Forbes.

Nascida e criada em Franca, interior de São Paulo, Luiza Helena Trajano deu início a sua vida profissional bem cedo, com apenas 12 anos de idade.

O desejo de comprar presentes de Natal para sua família e amigos foi o que a levou abrir mão de suas férias escolares para trabalhar como balconista na loja de seus tios.

A empresa era uma pequena loja de presentes em Franca que foi comprada pelos tios de Luíza em 16 de novembro de 1957. Sua tia criou um concurso cultural na rádio local para os moradores da cidade escolherem o nome da loja recém comprada. Com essa estratégia de Marketing, o negócio ganhou o nome de Magazine Luiza, em homenagem à tia, Luiza Trajano Donato.

A sobrinha, Luiza Helena, que tinha começado como balconista ganhou gosto pelo trabalho e aos 18 anos passou a trabalhar de forma efetiva. Após se formar em Direito e Administração de Empresas, ela chegou a ocupar cargos em todos os setores da empresa.

Já em 1991, ela recebeu um bilhete de sua tia avisando que era a hora de assumir o comando da companhia. Luiza não teve dúvidas e aceitou o desafio. O auge de sua carreira aconteceria alguns anos mais tarde, em 2008, quando se tornou presidente da rede.

Sob a sua gestão empreendedora, foram criados, em 1992, Lojas Virtuais da rede. O cliente ia até a loja e comprava pelo computador, com o auxílio de um vendedor, o produto que não estava exposto.

Sendo assim, fica claro que, além de empreendedora nata, Luiza foi um dos primeiros nomes femininos a serem vistos com destaque e como sinônimo de inovação no empreendedorismo.

Em 2011,  Luiza foi convidada por Dilma Rousseff para comandar a Secretaria da Micro e Pequena Empresa.

Hoje, ela está entre as mulheres de negócio mais poderosas do país.

Heloisa Helena Assis

Talvez você já tenha ouvido falar dela. Heloisa Helena é dona do Instituto Beleza Natural, reconhecido em diversos lugares do mundo por sua ideia de manter a beleza natural dos fios.

Mas ela não começou assim.

Na verdade, ela era empregada doméstica e decidiu fazer um curso de cabeleireira ainda jovem para aprender a domar os próprios cachos. Após diversas tentativas frustradas (que culminaram na queda do próprio cabelo, usado como cobaia para seus experimentos), Heloisa encontrou uma fórmula para manter a beleza natural dos fios crespos e tirar o volume.

Em 1993, com o dinheiro da venda de um Fusca, ela fundou o próprio salão de beleza no quintal de casa.

Os anos que se seguiram foram de muito trabalho. Hoje são mais de 25 institutos de beleza, com mais de 50 cremes de tratamento para ajudar mulheres a viverem seus dias com mais autoestima e cachos soltos.

A importância do empreendedorismo feminino para a sociedade

Para administrar seus negócios, as mulheres enfrentam diferenças e mostram que são capazes de trabalhar duro diante de adversidades, se impondo e cobrando os mesmo direitos. Esse ótimo desempenho faz com que cada vez mais mulheres assumam cargos de liderança, se tornando referências no mundo do empreendedorismo.

Em um cenário de negócios, onde o foco está tradicionalmente ligado às ideias de domínio, poder e força, o empreendedorismo feminino apresenta uma oportunidade de trazer para o primeiro plano elementos comumente ligados ao arquétipo feminino, mas que fazem parte de todos nós e são imprescindíveis para uma gestão efetiva e transformadora.

Nesse sentido, a presença de mulheres no mercado de trabalho destacou o valor do desenvolvimento de habilidades cruciais para a administração de equipes e empresas modernas.

Essas, inclusive, são consideradas competências essenciais dos líderes do futuro, que desejam engajar e motivar pessoas.

Também vale ressaltar que, seja atuando em uma instituição ou tocando seu próprio negócio, mulheres tendem a mostrar índices mais elevados de resiliência, mantendo a estabilidade e o equilíbrio emocional mesmo diante de dificuldades e pressões.

Por tudo isso, é perceptível o impacto positivo da liderança das mulheres na economia e a expansão desses negócios.

Elas criam um espaço mais rico, igualitário e com maior diversidade e pluralidade de ideias.

Podemos ver que empreendedorismo feminino é um importante catalisador de mudanças e uma grande conquista social.

Por isso, ele deve ser encorajado, amparado e valorizado em todas as instâncias na nossa sociedade. A busca por condições iguais de trabalho ainda parece ser longa, mas as mulheres já demonstram todo o seu potencial e competência para desenvolver negócios inovadores, criativos e revolucionários.

Faça parte desse movimento!

5 documentários da Netflix que todo empreendedor deveria assistir

Apesar de estar perdendo um pouco seu espaço para outras plataformas de streaming que estão entrando com tudo na luta por esse mercado, a Netflix ainda conta com um grande número de usuários assíduos. Até o final de 2018, o serviço alcançou 137 milhões de assinantes ao redor do mundo. Segundo pesquisa, as pessoas têm gastado 1 bilhão de horas por semana assistindo aos conteúdos da plataforma.

Esses números só colaboram para que a cada ano a Netflix invista mais em produções originais para completar seu catálogo. Mas se você é daqueles que ao entrar na plataforma fica perdido sem saber o que assistir e se você também adora assistir a um bom documentário, saiba que existem bons títulos escondidos por lá. Por isso separamos 5 documentários sobre temas relacionamentos à negócios e empreendedorismo para você assistir!

1- Brinquedos que marcam época

O nome deste documentário pode até te despertar uma certa nostalgia, no entanto, apesar do título, este não é um conteúdo para agradar às crianças. “Brinquedos que marcam época” é uma série documental de apenas 4 episódios, que tem como objetivo mostrar os bastidores da criação e história de quatro brinquedos que marcaram gerações: Star Wars, Barbie, He-Man e Comandos em Ação. Cada capítulo exibe depoimentos de seus criadores contando desde o desenvolvimento dos brinquedos até o momento em que alcançaram o sucesso. A série mostra as estratégias utilizadas para conseguir se destacar nesse mercado.

2- From Business to Being

Um dos grandes problemas da atualidade, principalmente para líderes e gestores, é o estresse causado pela pressão, excesso de trabalho e a falta de tempo para se cuidar melhor no meio da rotina atribulada. Neste documentário, Jon Kabat-Zinn, uma das referências em Mindfulness, responsável por trazer a prática para o Ocidente, mostra algumas práticas de meditação para você utilizar no seu dia a dia. Além disso, a produção ainda conta com outros especialistas, como a advogada Janice Marturano que desenvolveu um treinamento para líderes baseado na clareza, foco, criatividade e compaixão.

3- Banco ou Bitcoin

Se você é uma daquelas pessoas que ouve falar muito sobre Bitcoin por aí, mas ainda não sabe muito a fundo sobre a criptomoeda, este documentário foi feito para você! O filme conta a história de como a moeda digital surgiu, as ideias que motivaram seus criadores e os problemas que ela já causou no mercado. Além disso, a produção ainda coloca em pauta o futuro dos bancos centrais se o Bitcoin conseguir atingir uma aceitação global.

4- Explicando

A série documental com 20 episódios de menos de 20 minutos é um bom atrativo para maratonar no final de semana ou feriado prolongado. Com temas que vão de criptomoedas à mercado de ações – e ainda passa por outras áreas como astrologia e vida extraterrestres – a série tem como objetivo se aprofundar em assuntos diversos que fazem parte do universo dos usuários (ou nem tanto), e é uma ótima alternativa para quem quer se informar de maneira leve e didática sobre temas muitas vezes difíceis de entender.

5- Secrets of Selfridges

Este documentário conta a história do americano Harry Gordon Selfridges, que apresentou um novo modelo de negócios capaz de transformar a maneira de fazer compras da população Londrina. Inaugurada em 1909, sua loja de departamentos revolucionou as compras na capital da Inglaterra e teve um impacto duradouro na sociedade britânica. O filme mostra os segredos por trás de seus negócios progressistas e como a visão inovadora de Selfridges mudou o varejo e o comportamento do consumidor da época.

Agora que você já tem uma lista com ótimos títulos é só aproveitar o final de semana para maratonar e ainda tirar proveito desses conhecimentos para aplicar na sua vida profissional!

3 livros para você começar a ler em abril

Que livros você leu no último mês? De quais títulos mais gostou? Se a resposta para essas duas perguntas foi negativa, este artigo pode te ajudar a colocar a leitura em dia no próximo mês. Com a correria do dia a dia e a rotina atribulada, às vezes fica difícil reservar um tempo para ler, ou ainda, para pesquisar um bom livro para adquirir.
E se essa lista ainda não for o suficiente para te incentivar a ler mais, saiba que a leitura diária tem um número significativo de benefícios, como: estimulação mental, redução do estresse, novos aprendizados, expansão do vocabulário, melhoria no foco e na concentração, melhoria na habilidade de escrever, entre outros.

Além disso, ler é a chave para o sucesso de alguns dos principais líderes empresariais e empreendedores de hoje em dia. Confira abaixo 3 indicações para você começar a ler neste mês:

1- Educated – Tara Westover
Este livro está na lista dos 10 melhores livros do The New York Times de 2018 e foi nomeado um dos melhores livros do ano pelo The Washington Post, além de ser um dos livros favoritos de 2018 do Barack Obama.

Educated conta a história de vida da própria autora, Tara Westover, que só pisou pela primeira vez numa escola aos 17 anos. Filha de pais mórmons, a caçula de sete irmãos nasceu e viveu numa fazenda em Idaho, nos EUA. Influenciado pela doutrina mórmon, seu pai não acreditava que mandar seus filhos para a escola era algo importante. Em casa, Tara e seus irmãos não tinham nenhum contato com conteúdos acadêmicos.

Eles aprenderam a ler a Bíblia, o Livro de Mórmon e os discursos de Joseph Smith e Brigham Young. A autora ainda conta como foi espancada e abusada por seu irmão mais velho, por diversas vezes, e como encontrou forças para fugir de toda essa realidade e conseguir fazer um PhD em Cambridge. Sem dúvida, uma história chocante e inspiradora, que mostra a importância da educação na vida das pessoas.

2- Burnout – Emily Nagoski e Amelia Nagoski

O burnout é uma síndrome que tem afetado cada vez mais pessoas com o passar dos anos, e isso não é diferente com as mulheres, que ainda hoje sofrem pressão de todos os lados. Neste livro, as autoras explicam, com base em pesquisas científicas, porque as mulheres experimentam esse esgotamento de uma forma diferente dos homens, e ainda oferece conselhos para ajudar as mulheres a minimizar o estresse, gerenciar melhor as emoções e levar uma vida mais leve.

Burnout combina as mais recentes evidências científicas com conselhos prescritivos e uma boa dose de humor, com o objetivo de auxiliar a quebrar os obstáculos que estão entre as mulheres e seu bem-estar, ensinando-as como prosperar sob pressão e ter uma vida significativa e equilibrada.

3- The Moment of Lift – Melinda Gates

Melinda Gates, esposa de Bill Gates, passou muitos anos trabalhando com mulheres em todo o mundo. Durante essa jornada, ela teve a oportunidade de trocar experiências e conhecer histórias inspiradoras, o que a fez perceber que se você quer erguer uma sociedade, precisa parar de rebaixar as mulheres.

Com base em dados surpreendentes, essa obra apresenta muitas questões que precisam da nossa atenção – do casamento infantil à falta de acesso a contraceptivos e à desigualdade de gênero no local de trabalho. Além de contar com o relato pessoal da própria autora sobre como conquistou a igualdade em seu próprio casamento.

The Moment of Lift tem sido elogiado e indicado por mulheres fortes como Brené Brown, Malala Yousafzai e Tara Westover (autora de Educated), principalmente por ser uma obra que fala sobre empoderamento feminino e sororidade, mostrando o poder das mulheres em se conectar umas com as outras.

“Quando nós levantamos os outros, eles também nos erguem.”