Dicas para lidar com isolamento social prolongado

É inegável que a saúde mental é um dos trending topics de 2020. Antes do cenário de pandemia, já tínhamos o título de país mais ansioso do mundo e o quinto mais depressivo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Além disso, só ficamos atrás do Japão quando o indicador é o estresse.

Infelizmente, as organizações ainda não respondem à saúde mental com a mesma paridade que o fazem em relação à saúde física, mesmo havendo evidências claras da eficácia e elevado retorno sobre o investimento. De qualquer forma, o regime de quarentena impôs a pauta em caráter de urgência, sendo amplamente discutida não só no meio corporativo, mas também na sociedade.

Tudo isso propiciou a desmistificação do assunto, associando tecnologia à psicologia. Soluções que contemplam streaming de vídeo e teleconsultas ampliaram o acesso de mais pessoas a profissionais da área. Mas, em caráter individual, como promover melhorias no próprio estado mental?

Conversamos com Iaci Rios, diretora da IMR&ERICKSON – empresa especializada em treinamento e orientação profissional, para conhecermos suas dicas para o enfrentamento do isolamento social prolongado e a manutenção de uma mente saudável.

Cuide de você – Não descuide das coisas essenciais para seu bem estar: uma boa alimentação, qualidade de sono, atividade física, boa convivência com familiares e contato virtual frequente com as pessoas de quem gosta.

Evite entrar nos imensos e inúmeros grupos de WhatsApp que, além de lotarem seu celular com mensagens nem sempre interessantes, ainda podem te deixar com um sentimento de culpa por não conseguir responder. É possível sair de alguns deles com delicadeza, sob a justificativa de não estar dando conta de acompanhar as conversas.

Outro ponto fundamental é reservar horários para o lazer, fazer as coisas que lhe dão prazer, como meditar, ler, assistir a um filme, conversar, pintar, etc.

Cuide do seu lar – Não descuide da limpeza, organização das tarefas e respeito pelos ambientes da sua casa. Se você convive com mais pessoas, vale a pena uma conversa para que cada um exponha suas necessidades de espaço e tempo para trabalho, estudo e lazer, buscando acordos amigáveis. O que é combinado não sai caro!

Cuide do seu trabalho – Se você está em regime de home office, mantenha seu espaço de trabalho organizado. Exatamente como costuma fazer em sua empresa. E estabeleça limites de horário. Se alguém da sua equipe ou seu líder estiver invadindo seus horários de refeição ou lazer, exponha isso de maneira sutil e proponha que encontrem juntos uma solução, pois isto vai minar muito sua capacidade de atravessar a quarentena.

Também é importante se manter informado com parcimônia; sem virar escravo dos noticiários. Escolha uma fonte confiável e cheque, no máximo, uma vez ao dia. E, acima de tudo, não tenha medo de acolher seus sentimentos! Todos estão passando pelas mesmas emoções: medo, insegurança, raiva, desconforto, tristeza. Mantenha-se aberto a essas emoções, não tenha receio de falar sobre isso com as pessoas íntimas.

Bem-estar corporativo e produtividade

Segundo uma pesquisa realizada pelo ISMA em nove países do mundo, o Brasil foi apontado como o segundo país com maior nível de estresse, cerca de 70% dos brasileiros sofrem deste mal. Normalmente o estresse leva a consequências como exaustão física e emocional, alinhadas ao sentimento de falta de realização profissional.

Desta forma, os programas de bem-estar corporativo devem fazer parte das organizações, pois colaboradores motivados e engajados proporcionam resultados melhores e aumentam a produtividade. Os colaboradores precisam se sentir parte da organização e caminhar junto com ela.

É neste ponto que os programas de bem-estar corporativo entram em cena, proporcionando mudanças positivas dentro do ambiente organizacional, gerando maior assertividade e melhorando o desempenho dos funcionários. Além disso, empresas que promovem o bem-estar reduzem custos com a saúde e auxiliam na prevenção de doenças crônicas.

As empresas devem direcionar seus esforços para a prevenção, e aplicar métodos adequados à cada realidade, alinhados aos valores e missão. Vemos um aumento significativo na pressão por resultados, tornando a saúde mental e física de todos os envolvidos um foco de atenção.

Os gestores devem aproveitar as novas tecnologias para criar uma cultura organizacional de bem-estar, incentivando hábitos saudáveis. Uma pesquisa da Sodexo, feita em sete países, revelou que as ações relacionadas à qualidade de vida implementadas nas organizações melhoraram o clima no trabalho para 91% delas, ocasionaram mais atração de talentos para 76%, e geraram mais produtividade para 86% e mais rentabilidade para 70%.

Os benefícios que uma rotina de atividades físicas e cuidados com a saúde trazem aos colaboradores dão um impulso fundamental para que as empresas possam se reinventar e enfrentar os desafios impostos pelo mercado, sem deixar de ser lado o fator humano.