O que de fato diversidade significa e qual sua real importância

Diversidade é um tema cada vez mais recorrente na atualidade, mas você sabe o que ela realmente significa? 

Essa é uma discussão essencial para os profissionais de Recursos Humanos, pois é uma temática de extrema relevância social, sendo o setor de RH um dos principais agentes responsáveis por ações que influenciam na promoção da diversidade no ambiente de trabalho.  

Neste artigo você vai aprender mais a fundo sobre: 

  • O que é diversidade;

  • O que são minorias;

  • Qual a importância da diversidade no ambiente de trabalho.

O que é diversidade? 

De acordo com o dicionário, o conceito de diversidade é definido como “um substantivo feminino que caracteriza tudo aquilo que é diverso, que tem multiplicidade”, ou seja, é tudo aquilo que apresenta pluralidade e que não é homogêneo. 

No contexto social, a diversidade é justamente isso: a convivência de indivíduos diferentes em relação à etnia, orientação sexual, cultura, gênero etc., em um mesmo espaço.

Porém, tornar um ambiente diverso é uma tarefa muito mais complicada quando aplicada no contexto social, pois existem estruturas sociais que impedem ou dificultam determinados indivíduos a terem acessos a certos espaços, seja pela história de opressão a um grupo, que foram marginalizados para determinados espaços físicos e simbólicos, ou  por preconceitos da sociedade. As razões são as mais diversas. 

É possível entender melhor essas relações ao se pensar em convenções sociais, que, resumidamente, são crenças e costumes que moldam os comportamentos das pessoas que fazem parte de uma comunidade. Essas normas são transmitidas de geração em geração e criam um senso de pertencimento àqueles que as seguem.

Além disso, essas normas, em muitos casos, vão para além da tentativa de moldar comportamentos e também ditam como deve ser a aparência, a orientação sexual, o gênero e várias outras características que fogem do controle do indivíduo, gerando uma sensação de inadequação aos que não se adaptam. 

Ou seja, aqueles que não condizem com os padrões vigentes sofrem uma pressão social para se encaixar e, caso não consigam, muitas vezes são levados direta ou indiretamente à marginalidade pelos que tentam manter o status quo. Esse grupo é conhecido como minoria. 

Vale ressaltar que minorias não são necessariamente grupos em menor quantidade numérica na sociedade, o termo diz respeito às relações de dominação de um grupo em relação ao outro. Nesse sentido, o grupo “maioritário” é respeitado e visto como aquele que deve ser imitado pelos outros, enquanto o grupo “minoritário” é o que pode ser alvo de comportamentos discriminatórios e preconceituosos justamente por não se adequar à norma. 

De modo geral, o conceito está atrelado a uma busca por integrar grupos diferentes em um mesmo ambiente, tendo em mente a pluralidade brasileira, por exemplo, que raramente é representada nos espaços. 

Mas se diversidade é tudo aquilo que é diferente, por que estamos falando de minorias?

O termo refere-se àquilo que é diverso, mas quando aplicado à sociedade, nem tudo é visto como diferente. Toda sociedade possui um conjunto de normas predeterminadas e isso é construído historicamente pelos grupos dominantes, sendo assim, é esperado que os indivíduos que façam parte de um determinado grupo tenham comportamentos compatíveis com o que é entendido como certo pela maioria. 

Essas regras que moldam a forma como os indivíduos devem se portar constroem comportamentos que são vistos como “normais”, ou seja, comportamentos que são tidos como o padrão daquele meio. Além disso, essas normas podem ir além do comportamento e atingir esferas que fogem do controle do indivíduo, como sua aparência e orientação sexual. 

Nesse sentido, existe uma norma, e tudo aquilo que está dentro dessa norma é considerado “normal” e o que foge é o “diferente”. Dessa maneira, há uma pressão para o que foge da norma adequar-se a ela. Logo, as minorias são os grupos que geralmente sofrem essas opressões contra suas diferenças, que não são socialmente aceitas e há uma tentativa de mudar esses sujeitos para se adequarem ou, caso não haja mudança, é possível que ocorra a segregação desse indivíduo daquele meio. E é aí que entra a importância de se discutir a diversidade, porque ela é uma forma de entender como as pessoas são tratadas de formas totalmente diferentes na sociedade.

Ao entender essas diferenças e as dificuldades que elas trazem para a vida daqueles que pertencem aos grupos que fogem da norma social, isto é, de grupos minoritários, é possível refletir sobre ações que ajudem a tornar a sociedade mais justa e igualitária.

Qual a importância da diversidade no ambiente de trabalho?

Atualmente, é fundamental para qualquer empresa pensar na diversidade e inclusão dentro das organizações, tanto por ser um tema importante e recorrente na sociedade quanto por trazer benefícios para a empresa. 

Contudo, não basta possuir um discurso pró-diversidade, esse ideal deve ser defendido e colocado em prática, caso contrário, a reputação da empresa pode ser altamente prejudicada. 

Existem diversos estudos comprovando que empresas que possuem maior diversidade não só apresentam retornos financeiros superiores, como também possuem um diferencial competitivo maior. Além de possuírem soluções mais criativas, por terem pessoas com diferentes pontos de vista para a resolução de problemas no dia a dia da organização.  

Além disso, um ambiente diverso melhora o employer branding da sua empresa e ajuda a atrair talentos de pessoas também diversas, que, como apresentado acima, possui inúmeros benefícios para melhorar o desempenho e crescimento do seu negócio. 

A promoção da diversidade no ambiente de trabalho também ajuda a aprimorar a cultura organizacional, pois um ambiente que promove a diversidade tem mais chances de construir uma cultura organizacional sólida e que acolhe e aceita as pessoas em suas diferenças. 

Nesse sentido, o papel do profissional de RH é de extrema importância, porque ele será o principal responsável por transformar essa reflexão em ações para promover a diversidade na organização.