3 livros para você começar a ler em abril

Que livros você leu no último mês? De quais títulos mais gostou? Se a resposta para essas duas perguntas foi negativa, este artigo pode te ajudar a colocar a leitura em dia no próximo mês. Com a correria do dia a dia e a rotina atribulada, às vezes fica difícil reservar um tempo para ler, ou ainda, para pesquisar um bom livro para adquirir.
E se essa lista ainda não for o suficiente para te incentivar a ler mais, saiba que a leitura diária tem um número significativo de benefícios, como: estimulação mental, redução do estresse, novos aprendizados, expansão do vocabulário, melhoria no foco e na concentração, melhoria na habilidade de escrever, entre outros.

Além disso, ler é a chave para o sucesso de alguns dos principais líderes empresariais e empreendedores de hoje em dia. Confira abaixo 3 indicações para você começar a ler neste mês:

1- Educated – Tara Westover
Este livro está na lista dos 10 melhores livros do The New York Times de 2018 e foi nomeado um dos melhores livros do ano pelo The Washington Post, além de ser um dos livros favoritos de 2018 do Barack Obama.

Educated conta a história de vida da própria autora, Tara Westover, que só pisou pela primeira vez numa escola aos 17 anos. Filha de pais mórmons, a caçula de sete irmãos nasceu e viveu numa fazenda em Idaho, nos EUA. Influenciado pela doutrina mórmon, seu pai não acreditava que mandar seus filhos para a escola era algo importante. Em casa, Tara e seus irmãos não tinham nenhum contato com conteúdos acadêmicos.

Eles aprenderam a ler a Bíblia, o Livro de Mórmon e os discursos de Joseph Smith e Brigham Young. A autora ainda conta como foi espancada e abusada por seu irmão mais velho, por diversas vezes, e como encontrou forças para fugir de toda essa realidade e conseguir fazer um PhD em Cambridge. Sem dúvida, uma história chocante e inspiradora, que mostra a importância da educação na vida das pessoas.

2- Burnout – Emily Nagoski e Amelia Nagoski

O burnout é uma síndrome que tem afetado cada vez mais pessoas com o passar dos anos, e isso não é diferente com as mulheres, que ainda hoje sofrem pressão de todos os lados. Neste livro, as autoras explicam, com base em pesquisas científicas, porque as mulheres experimentam esse esgotamento de uma forma diferente dos homens, e ainda oferece conselhos para ajudar as mulheres a minimizar o estresse, gerenciar melhor as emoções e levar uma vida mais leve.

Burnout combina as mais recentes evidências científicas com conselhos prescritivos e uma boa dose de humor, com o objetivo de auxiliar a quebrar os obstáculos que estão entre as mulheres e seu bem-estar, ensinando-as como prosperar sob pressão e ter uma vida significativa e equilibrada.

3- The Moment of Lift – Melinda Gates

Melinda Gates, esposa de Bill Gates, passou muitos anos trabalhando com mulheres em todo o mundo. Durante essa jornada, ela teve a oportunidade de trocar experiências e conhecer histórias inspiradoras, o que a fez perceber que se você quer erguer uma sociedade, precisa parar de rebaixar as mulheres.

Com base em dados surpreendentes, essa obra apresenta muitas questões que precisam da nossa atenção – do casamento infantil à falta de acesso a contraceptivos e à desigualdade de gênero no local de trabalho. Além de contar com o relato pessoal da própria autora sobre como conquistou a igualdade em seu próprio casamento.

The Moment of Lift tem sido elogiado e indicado por mulheres fortes como Brené Brown, Malala Yousafzai e Tara Westover (autora de Educated), principalmente por ser uma obra que fala sobre empoderamento feminino e sororidade, mostrando o poder das mulheres em se conectar umas com as outras.

“Quando nós levantamos os outros, eles também nos erguem.”

Dê um salto na carreira e veja nove cursos de recrutamento e seleção

Pode parecer clichê, mas manter a carreira atualizada é essencial! E, quando se trata de Recursos Humanos, o estudo constante é uma necessidade. justamente por conta das mudanças que a área sofreu nos últimos anos.

Por isso, estudar sobre recrutamento e seleçãopor exemplo, permite que você fique por dentro das novidades do mercado.

E para te ajudar nessa escolha, listamos os principais cursos de recrutamento e seleção online e gratuitos que você pode fazer. São 9 opções de cursos gratuitos que vão impulsionar a sua carreira, mas sem esvaziar seu bolso. Acompanhe e saiba mais as opções disponíveis!

1. Recrutar: como atrair os melhores profissionais, Endeavor

Tem certificado? Não.

No curso da Endeavor, são abordados quatro tópicos sobre o o processo de recrutamento e seleção. Todo o conteúdo é apresentado no formato de vídeo e não há prova ao final e nem certificado. No entanto, o material é completo e direcionado para a nova realidade brasileira.

A Endeavor é uma rede global que busca oferecer capacitação em diferentes assuntos, todos relacionados com o empreendedorismo. Em sua plataforma, é possível encontrar cursos de diferentes áreas, como finanças, leis e impostos, e outros.

Outro ponto importante são os módulos da empresa: têm reconhecimento dentro da comunidade, uma vez que ela é considerada referência em apoio ao empreendedorismo.

2. Curso de Recrutamento e Seleção para Alta Performance 2.0, Gupy

Tem certificado? Sim.

O curso oferece sete videoaulas gratuitas, que podem ser acessadas a qualquer momento. Ao final dos módulos, existem materiais relacionados, mini testes e uma avaliação.

Conseguindo atingir os pontos necessários, a pessoa fica certificada e pode imprimir o documento no Linkedin. O diferencial do curso da Gupy é sua total flexibilidade: não há limite de acessos nem prazo para concluir o curso.

A Gupy Academy é um serviço que busca capacitar o profissional de RH em diferentes temas. Desenvolvido pelo grupo de especialistas da empresa, o material é atualizado constantemente.

3. Recruiting, Hiring, and Onboarding Employees, Coursera

Tem certificado? somente na versão paga.

Ministrado pela Universidade de Minnesota e em conjunto com a Coursera,  o curso Recruiting, Hiring, and Onboarding Employees oferece conteúdo para quatro semanas. Em inglês, seu foco é falar sobre a aquisição de talentos.

A estrutura é composta por videoaulas, além de material para leitura e testes ao final dos módulos para fixação. Na versão gratuita, nem todos os testes são liberados e, ao final, não há a possibilidade de receber um certificado.

Mesmo assim, o curso é uma excelente oportunidade. O conteúdo é atualizado e se encontra em harmonia com as práticas de mercado.

Além disso, a plataforma Coursera foi uma das primeiras a oferecer cursos a distância gratuitos, ministrados por professores das maiores universidades do mundo. Hoje, conta com formação em pós-graduação a preços acessíveis e certificado reconhecido mundialmente.

4. Recursos Humanos – Recrutamento e Seleção, Learncafe

Tem certificado? Sim.

São quatro aulas em vídeo, com a possibilidade de receber um certificado ao final. O acesso gratuito é limitado, sendo que o curso precisa ser finalizado durante um determinado período.

Não há teste ao final do aprendizado. Já o certificado é garantido. Quanto ao conteúdo, ele é uma ótima oportunidade para quem está começando a realizar Recrutamento e Seleção, pois apresenta os dados introdutórios sobre o tema.

O Learncafe é uma empresa brasileira que oferece diferentes cursos para formação e atualização profissional. São opções em diversas áreas, sobre diferentes assuntos.

5. Introdução ao Recrutamento e Seleção

Tem certificado? Sim.

É desenvolvido pela iPED, empresa internacional que atua em mais de 60 países. São 40 horas de aulas e estudos sobre o tema, organizados em três tópicos. Há um pequeno teste ao final.

O certificado é emitido e tem reconhecimento nacional. Por ser um curso livre, vale destacar que não é necessário reconhecimento do MEC, mas a empresa deve seguir as diretrizes. No caso, o site segue as especificações legais.

6. Recrutamento e Seleção de Pessoal, FBV

Tem certificado? Sim.

O curso é oferecido pela FBV cursos, instituição voltada para o oferecimento de cursos online gratuitos em diferentes temas. Filiada à ABED (Associação Brasileira de Educação a Distância), ela oferece uma metodologia dinâmica, com opção de download de materiais, por exemplo.

São 11 tópicos abordados durante o decorrer do curso. A carga horária total fica sob responsabilidade do estudante, variando de 40 horas até 280 horas. O certificado tem um custo para ser emitido.

Não há a necessidade de conclusão em um período pré-estabelecido. No entanto, o ideal é que todos os tópicos sejam completados em um curto espaço de tempo, evitando possíveis esquecimentos. Após o termino, o material ainda fica disponível para acesso e consultas.

7. Curso de Recrutamento e Seleção, Prime Cursos

Tem certificado? Sim.

Possui tem 11 tópicos abordados em 35 horas e é rápido de ser concluído, apresentando os principais pontos sobre o tema. Por conta disso, é recomendado para quem busca uma introdução.

Ao final, há um certificado que atesta a conclusão e que pode ser conferido online. Além disso, há uma opção impressa, que exige o pagamento de uma taxa.

O curso Recrutamento e Seleção é oferecido pela Prime Cursos, que oferece diferentes áreas de formação. Em funcionamento desde 2003, ela tem como filosofia oferecer cursos gratuitos a distância.

8. Recrutamento e Seleção: Como Formar um Time Vencedor, Sebrae

Tem certificado? Sim.

Organizado em quatro módulos, o Recrutamento e Seleção: Como Formar um Time Vencedor aborda a importância da equipe e como encontrar o perfil ideal para a sua empresa.

Após a inscrição no curso, você tem 15 dias para concluí-lo. Por ser oferecido pelo Sebrae, ele é voltado principalmente para empreendedores. Por isso, a inscrição exige o número do CNPJ. Também oferece certificado digital após a conclusão.

Permite que tanto os tópicos essenciais como os mais avançados sejam estudados. O Sebrae é o maior serviço de apoio ao empreendedor disponível no Brasil e, entre as opções oferecidas por ele, estão cursos de capacitação que permitem um aprimoramento em diferentes tópicos.

9. Curso online grátis de Recrutamento e Seleção, Escon

Tem certificado? Sim. 

Esse curso online pode ser montado por vocêPor isso, a carga horária varia entre 8 horas e 280 horas. Quem decide quanto terá cursado ao final é o aluno.

Além disso, o curso conta com opção de certificado opcional. No caso, para ter acesso ao documento, é preciso pagar uma taxa.

A Escola de Cursos Online (Escon) é outra boa opção. Com diferentes títulos, ela oferece uma oportunidade interessante de aprendizagem.

Como você viu, existem diversas opções online no mercado! Então aproveite e comece hoje mesmo a procurar cursos de recrutamento e seleção gratuitos para seu aperfeiçoamento.

Ah! E não se esqueça de conferir qual deles tem os requisitos que você procura, além de considerar os prazos e a emissão de certificado.

Também vale se programar para estudá-los. Por mais que seja na modalidade à distância e muitas vezes não tenha um custo, essa é uma oportunidade de crescimento profissional que deve sempre ser levada a sério.

Três livros para você ler em março

Ler é a chave para o sucesso de alguns dos principais líderes empresariais e empreendedores de hoje em dia. Confira abaixo 3 indicações para você começar a ler no próximo mês:

1- Faça Tempo – Jake Knapp e John Zeratsky

Você já deve conhecer o Jake Knapp, ou pelo menos seu best-seller Sprint, onde ele explica como criou o método do Design Thinking. Agora, em seu novo livro, Faça Tempo, Jake Knapp e John Zeratsky buscam maneiras de ajudar as pessoas a otimizar energia, concentração e tempo na hora de realizar suas tarefas. Para isso, eles criaram táticas mais eficientes e uma estrutura diária de quatro passos, a fim de que qualquer pessoa seja capaz de esquematizar seu próprio dia, de maneira mais sistemática e produtiva.

Mas se você espera por alguma fórmula padrão sobre produtividade ou ainda soluções irreais, não irá encontrar nada disso. O livro se destaca justamente por ser um guia que proporciona pequenas mudanças na sua vida com o objetivo de fazer você se libertar das constantes distrações do dia a dia e priorizar o que é realmente importante.

2- Thrive – Arianna Huffington

Nesta obra, Arianna Huffington argumenta de forma clara e convincente sobre a necessidade de redefinir o que significa ser bem-sucedido no mundo de hoje. A partir de suas experiências pessoais, Arianna começou a se questionar sobre o preço do sucesso após ter sofrido um desmaio devido ao cansaço extremo e à privação do sono.

Em Thrive, ela afirma que a busca incessante pelas métricas tradicionais de sucesso – dinheiro e poder – levou a uma epidemia de doenças relacionadas como burnout, crises de ansiedade, depressão, além de contribuir para um desgaste na qualidade de nossos relacionamentos, em nossa vida familiar e, ironicamente, em nossas próprias carreiras. Com base na mais recente pesquisa e em descobertas científicas nos campos da psicologia, Arianna mostra, nesta obra, o caminho para uma revolução em nossa cultura, nosso pensamento, nosso local de trabalho e nossas vidas.

3- Comportamento Inadequado – Richard H. Thaler

Richard H. Thaler, ganhador do prêmio Nobel, passou sua carreira estudando a noção radical de que os agentes centrais da economia são os seres humanos, ou seja, pessoas previsíveis e propensas a erros. Neste livro, o economista relata a luta para trazer a disciplina acadêmica de volta à Terra – e mudar a maneira como pensamos sobre economia, nós mesmos e o mundo.

Unindo algumas descobertas recentes da psicologia humana a uma compreensão prática de incentivos e comportamento de mercado, Thaler ensina os leitores sobre como tomar decisões mais inteligentes em um mundo cada vez mais imprevisível. Ele revela como a análise econômica comportamental abre novas maneiras de olhar para tudo: as finanças domésticas, o modo como vemos televisão, abrimos um escritório novo, desenvolvemos projetos pessoais ou profissionais e até como criamos negócios alternativos semelhantes à Uber.

Agora que você já tem essas dicas, é só escolher qual deles será o seu livro de cabeceira do próximo mês!

Método GTD: saiba como aplicá-lo na vida pessoal e profissional

Todos os dias, a rotina exige que cumpramos uma série de tarefas, o que, muitas vezes, torna difícil separar aquilo que é profissional daquilo que é pessoal. Isso acaba impedindo que demos conta de todas as obrigações que nos são impostas sem que isso resulte em perda de produtividade ou de qualidade de vida.

Para isso, vamos apresentar neste texto o método GTD, que pode ajudar você a aproveitar melhor as horas do seu dia e, com isso, resolver todas as pendências da sua vida, sejam elas de aspecto pessoal, seja profissional. Confira!

Por que é importante equilibrar vida pessoal e profissional?
Cada parte da nossa vida merece momentos de atenção diferentes. Resolver pendências em casa enquanto se pensa nos problemas do trabalho (e vice-versa) nunca é o ideal. Tal situação, quando recorrente, pode gerar estresse, ansiedade e perda de produtividade.

Sabe aquela sensação de que as horas do dia e da semana não são suficientes para fazer frente a todos os compromissos? Ela certamente é agravada por essa constante mistura entre as esferas da sua vida.

O que é o método GTD?
Felizmente, é possível mudar tal situação. Uma das formas de fazer isso é implementando o método GTD, sigla para Getting Things Done, que podemos traduzir de forma livre como “fazendo as coisas acontecerem”.

Esse método foi criado pelo norte-americano David Allen, um especialista em produtividade, que se baseou nos seus anos de experiência para criar o GTD. O conceito fez a sua estreia em um livro publicado pela primeira vez em 2001, intitulado “A Arte de Fazer Acontecer“.

O GTD se baseia no princípio de que devemos registrar todas as nossas tarefas em algum lugar, para ter a mente vazia e, dessa forma, manter o foco e a atenção para lidar com uma obrigação de cada vez, sem se preocupar em deixar nada para trás.

Como aplicar o método GTD?
O método GTD não diz respeito necessariamente à maneira como o trabalho é feito, mas sim à forma como você registrará e organizará tudo o que precisa ser resolvido. Portanto, essa estratégia para otimizar a sua rotina pode ser usada em todos os aspectos da sua vida. Para isso, é necessário seguir os passos listados abaixo. Acompanhe!

Capture
Não acumule nada na cabeça. Assim que tiver uma ideia ou se lembrar de um compromisso, anote em algum lugar confiável. Pode ser um caderno ou uma planilha eletrônica, tanto faz. O importante é que o que esteja na sua mente seja transferido para esse suporte.

Esclareça
Com tudo listado, o momento seguinte envolve esclarecer quais das tarefas apontadas merecem atenção imediata ou não.

Organize
Depois, organize tudo aquilo que foi anotado e merece atenção. É possível, por exemplo, separar as obrigações por categorias (assuntos profissionais e pessoais) ou por urgência (aquelas que precisam ser resolvidas rápido e aquelas que podem esperar um pouco).

Reflita
Esse momento serve para reavaliar se as suas prioridades estão corretas e se todas as tarefas listadas estão sendo encaminhadas. Um erro muito comum é só resolver as pendências urgentes, enquanto as demais ficam atrasadas.

Engaje
Com tudo organizado, mantenha o engajamento na tarefa sendo executada no momento. Pense sempre que ela é atividade mais importante a ser desenvolvida naquele instante e que as demais pendências terão a sua hora para serem resolvidas.

Com o tempo e com a prática, aplicar o método GTD ficará mais natural. Isso permitirá que tanto as tarefas da vida profissional quanto da pessoal sejam feitas cada uma em seu momento e de forma mais produtiva.

Estamos preparados para o mercado de trabalho do futuro?

As “profissões do futuro” criarão milhares de novos postos de trabalho por ano que podem não ser preenchidos.

Detetive de dados, gerente de negociações éticas, diretor de diversidade genética, curador de memória pessoal, diretor de transparência. Essas são algumas das chamadas “profissões do futuro” que têm sido apontadas por especialistas para os próximos cinco ou dez anos apenas.

Em setores específicos, como tecnologia da informação, cerca de metade dos 70 000 empregos que serão criados por ano até 2024 poderá não ser preenchida, conforme reportagem recente publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A explicação? A transformação digital nos negócios e o surgimento incessante de novas startups. Isso, vale lembrar, está acontecendo agora em um país que possui cerca de 13,4 milhões de desempregados.

Aí fica a pergunta: quais universidades estão preparando esses profissionais? E quantas organizações encaixam essas novas profissões em sua estratégia de médio/longo prazo pensando nas competências que precisarão desenvolver?

Continuamos, ainda, preocupados em atender o curto prazo sem preparar nossas empresas e pessoas para funções que estão por vir. Quantos profissionais de RH e de estratégia consideram o futuro ao estruturar seus desenhos organizacionais?

Quando olhamos para esses investimentos em gente, notamos que eles são focados na melhora do desempenho dos colaboradores em suas funções atuais, em vez de prepará-los para compreender as mudanças que estão por vir. Ou seja, se por alguma razão forem dispensados, esses funcionários já estarão obsoletos no mercado.

Em vez de alimentarmos o discurso amedrontador de que “o trabalho como é hoje vai sumir e suas funções não existirão mais dentro de alguns anos”, que tal investirmos na educação dos profissionais e apoiá-los na compreensão do cenário futuro, de forma que eles se preparem e possam preparar seus filhos e dependentes?

Sei que posso parecer repetitiva, mas acredito fortemente que temos uma função a cumprir. Nosso sistema educacional é precário e diversas organizações têm desempenhado um papel importante na sociedade nesse sentido.

E nós, que cuidamos do tema de pessoas, podemos influenciar os investimentos. Há organizações que fazem um papel bonito na formação de cidadãos. Existem também incubadoras que incentivam a inovação e o pensamento futuro.

Boas ideias não faltam, precisamos nos munir de argumentos para convencer a alta liderança a fazer esse investimento, que será indispensável para sua própria sobrevivência.

Como conquistar uma oportunidade sem ter experiência na área desejada?

Nas palestras sobre empregabilidade, nos grupos e redes sociais e em meus atendimentos essa pergunta vem se repetindo constantemente, geralmente vinda de jovens estudantes que desejam oportunidade em uma determinada área e que por não ter experiência acabam tendo dificuldades para conquistar a vaga desejada, e também vinda de profissionais mais seniores que desejam fazer uma transição de carreira, e se sentem perdidos sem saber por onde começar.

Pensando sobre isso separei 03 dicas que podem te auxiliar neste processo:

1) Tenha clareza
Ao decidir iniciar um curso de graduação, ou migrar sua área de atuação é fundamental ter clareza,! É importante saber:

Por que você está decidido a traçar esse caminho?
Quais são os desafios e oportunidades que essa área pode te reservar?
Quais são os possíveis obstáculos que você terá pela frente?

Se o seu caso for transição, entender os motivos que te fazem desejar migrar de área e de que forma pode estruturar uma carreira nesta área.

Quando se fala em clareza, o autoconhecimento torna-se fundamental, através dele você terá uma base mais forte, conseguirá compreender quais são teus motivadores pessoais, saber por exemplo:

Quais organizações estão alinhadas com seus propósitos profissionais?
Que cargo você deseja ocupar?
Quais qualificações serão necessárias para ocupar essa posição?

2) Invista em cursos e qualificação profissional
Uma forma de compensar a falta de experiência é manter-se atualizado! Em minhas palestras sobre Empregabilidade sempre reforço: Em um processo seletivo não tem espaço para currículos sem cursos de qualificação, sem atualizações na área desejada, sem cursos extracurriculares.

Um profissional em busca de oportunidade, tem como dever estar por dentro das boas práticas e inovações da área em que deseja atuar!

Essa afirmação pode parecer um pouco dura, mas encaro como sendo meu dever deixá-lo ciente de que você pode estar sendo desclassificado das vagas as quais tem se candidatado por não ter cursos e atualizações específicas, que enriquecem o seu currículo e demostram interesse. Vivemos na era da informação, existem infinitas possibilidade de cursos, palestras, workshops, seminários gratuitos na internet e presenciais, inclusive com emissão de certificados. Sei que nem sempre se tem oportunidade de reservar um valor para investir em cursos mais específicos, mas muitas vezes é uma questão de não priorizar, existem cursos excelentes que oportunizam networking, troca e muita aprendizagem com investimentos bem acessíveis e possibilidade de parcelamento.

Faça uma lista dos cursos de qualificação que deseja realizar e, e que estejam alinhado com seus objetivos profissionais, inicie suas pesquisas. Crie uma programação e uma meta mensal de qualificação! Inicie pelos cursos gratuitos e separe um % dos teus recursos destinando a sua qualificação. Tenha certeza que esse investimento terá retorno garantido!

Para quem é de Porto Alegre-RS e deseja entrar na área de Recursos Humanos, recomendo dar uma olhada no Projeto Evolua-se da RHF Talentos Porto Alegre, esse projeto é focado na qualificação profissional nos subsistemas da Recursos Humanos (R&S, T&D, Gestão de Benefícios e outros) e já tem previsão de expansão para outras áreas, a proposta é uma abordagem prática com turmas reduzidas que possibilitam uma visão real e total interação. Vou deixar o link no final deste post. A RHF Talentos também tem um Programa destinado a quem busca Recolocação Profissional em todas as áreas, o Empregabilidade 4.0, com palestras gratuitas sobre elaboração de currículo, entrevista de emprego, LinkedIn e muitas dicas, acompanhe a agenda através das redes sociais! Já para quem deseja um acompanhamento mais direcionado o Recolocar Talentos, que é um programa de recolocação profissional com atendimentos personalizados baseados na metodologia Coaching.

Em tempos passados ter uma graduação já era considerado suficiente, e te habilitava a conquistar e manter um belo emprego. Os tempos mudaram, a quantidade de informações disponíveis, a necessidade de novas habilidades, a abundante oferta de mão-de-obra, trouxeram a necessidade de qualificação continuada e atualização constante obrigando os profissionais a assumirem o protagonismo de suas carreiras.

3) Não busque um emprego, construa uma carreira
Existe uma grande diferença entre buscar um emprego e construir uma carreira, um emprego pode te sustentar, pagar os boletos e até te proporcionar diversão e lazer. Mas se um dia ele “for embora”, é bem possível que você fique perdido e sem identidade profissional.

A construção de uma carreira exige mais empenho, exige protagonismo, dedicação, ações concretas e ocorre de forma gradativa. Ter consciência de que seu retorno tende a ser proporcional a sua dedicação já é um bom começo! O processo de coaching pode te ajudar a ter o foco necessário nesta jornada, caso não tenha condições de investir neste momento, você pode escolher um mentor, alguém que entenda bastante do teu setor e tope te assessorar.

Você pode potencializar a construção de sua carreira através do posicionamento da sua marca pessoal, estudando sobre a área de atuação desejada por exemplo, construindo um networking consistente, e não estou falando de pedir indicação para vagas! Pense que você pode oferecer, faça um trabalho voluntário, compartilhe artigos, curta e comente as matérias que você achar interessante. No LinkedIn, faça muitas conexões e invista em interação, troque ideias, faça perguntas solicite e dê recomendações. Cuide da sua imagem nas redes sociais, nos grupos de WhatsApp, use essas ferramentas a seu favor!

Espero sinceramente que estas dicas te ajudem! E se me permitir, aí vai minha última dica: Não desista! O processo de transição de carreira e colocação profissional não é fácil eu sei disso, mas trabalhar com o que te faz feliz não tem preço e vai valer cada centímetro de esforço!

Foco + Ação = Resultado

Sim, você pode!

Luisa Gonchoroski – RHF Talentos Unidade Porto Alegre
Gestora de Recursos Humanos, MBA em Gestão Empresarial
Analista Comportamental e Coach de Carreira

Plano de cargos e salários: 4 motivos para sua empresa ter um

Afinal, quem ganha com a implementação de um programa de cargos e salários? Alguns gestores podem acreditar que esse é um benefício exclusivo para os colaboradores, que passarão a ter uma perspectiva de crescimento dentro da empresa. Acontece que, na verdade, o maior beneficiário desse tipo de ação é a própria organização. 

O plano de cargos e salários pode trazer uma série de vantagens para o negócio, da melhoria da produtividade até a correta organização dos processos internos. Por isso, ao contrário do que muitos pensam, essa não é apenas uma demanda sindical ou da classe trabalhadora: é uma ação essencial para desenvolver uma organização saudável.

Nesse post, você vai conferir todos os benefícios da medida.

1 – Crie um ambiente motivador
Em primeiro lugar, com o plano de cargos e salários, os profissionais se sentem muito mais motivados, é claro. Dessa forma, o clima organizacional fica mais agradável e todos se sentem mais confortáveis para exercer suas funções, afinal, sabem que, na empresa onde trabalham, existe uma perspectiva de futuro real.

Com os profissionais motivados, é possível reduzir bastante o índice de rotatividade da empresa, algo que gera uma série de perdas, como os custos com treinamentos e demissionais, além, é claro, de garantir a produtividade do negócio.

2 – Defina a linha de comando
Afinal, quem obedece quem? Quais processos são destinados para os colaboradores, e como será o monitoramento da gerência? Essas e outras perguntas podem ser sanadas quando todos os envolvidos — o gestor incluso — sabem exatamente quais são os cargos da empresa e a linha de comando.

Quando todos sabem qual é o seu papel na organização, são capazes de compreender melhor cada um dos processos e atividades desenvolvidas. Portanto, é possível criar um ambiente coeso e harmônico, o que certamente é excelente para a empresa.

3 – Estabeleça uma relação de transparência
Afinal, quais são os critérios para a promoção? Para não haver favoritismo, é preciso que o gestor defina com clareza todas as etapas que o profissional precisa percorrer para conseguir crescer na empresa.

Essa relação de transparência representa um benefício não só para o colaborador, mas, principalmente, para o negócio, e vamos explicar o porquê. Se o gestor não cria critérios objetivos para promover um colaborador, pode cometer o erro da parcialidade. Em um negócio, no entanto, é preciso tomar decisões racionais, mantendo a empresa com o “pé no chão”.

4 – Aumente a produtividade do negócio
Profissionais motivados, processos bem definidos entre os mais diversos escalões da empresa e uma relação saudável, pautada em critérios objetivos para a promoção. É claro que, reunindo os três pontos que mencionamos anteriormente, o último benefício que temos que listar é a melhoria da produtividade do negócio.

O plano de cargos e salários, portanto, é uma ação indispensável não só para que os colaboradores vejam uma perspectiva de futuro na empresa, mas, principalmente, para que o próprio gestor consiga enxergar com clareza quais serão os rumos do negócio!

Por que você merece ser contratado?

Por que você merece ser contratado? Certamente você já ouviu essa pergunta antes.

A procura por uma oportunidade está cada vez maior, os índices de desempregos são altos, mas infelizmente, também é alto o número de candidatos que não possuem as qualificações necessárias para ocupar a vaga. Qualificações estas que não dizem respeito apenas aos conhecimentos técnicos e específicos, e sim em relação a comportamentos.

São eles, que muitas vezes, impedem as pessoas de conquistar o que desejam. É normal que em um processo seletivo, uma entrevista ou dinâmica de grupo, o candidato sinta algum desconforto ou insegurança, mas ainda assim deve prevalecer o autocontrole e a noção de si mesmo para superar esses sentimentos e conseguir se apresentar devidamente, dando a oportunidade aos avaliadores de conhecerem o seu perfil, habilidades, experiências e assim mostrando o porquê ele merece ser contratado.

É por isso que deixo aqui um pedido: Invista no seu desenvolvimento pessoal e profissional! Hoje em dia, com a tecnologia ao nosso redor, desenvolver o nosso potencial não é mais um problema. Há uma infinidade de sites que disponibilizam cursos (inclusive gratuitos), palestras, vídeos, notícias, atualidades.

Estude, esteja atualizado, especialize-se na sua área de atuação, conheça as novidades do seu mercado de trabalho. Seja o melhor profissional da sua área! Leia livros, aperfeiçoe seu vocabulário e sua oratória. Além disso, busque autoconhecimento, saiba falar sobre suas características, seus pontos fortes, pontos a desenvolver. Trabalhe sua autoconfiança e autoestima. Ficou nervoso, deu branco? Respire, tranquilize-se, organize seus pensamentos e continue, confie em você e saiba antes de qualquer outra pessoa os motivos pelos quais você merece ser contratado!

Procure dicas de como se portar nas entrevistas, saiba quais são as vestimentas apropriadas, tenha em mãos um currículo bem elaborado e atualizado, seja pontual. Leia o artigo sobre o aperto de mão, ele também diz muito sobre você. Tenha a real percepção de si mesmo, sobre a sua postura, linguagem corporal, sobre o seu tom de voz.

Tenha iniciativa, seja curioso, conheça pessoas, cultive bons relacionamentos interpessoais.
Cuide também dos seus pensamentos, pois aonde quer que eles estejam, é lá que você estará.
Esteja preparado!

Por Thaís Alencar – RHF Talentos Unidade Mogi das Cruzes

A importância da orientação vocacional

Atenção pais que tem filhos em fase pré-vestibular! Você já parou para analisar a carga de responsabilidade que seu filho está sentindo neste momento? Imagine um jovem, com 16, 17 anos, precisando decidir a profissão que, teoricamente, exercerá durante toda a vida! Existem pessoas que conseguem detectar facilmente seus talentos, seus sonhos; que desde crianças já sabem o que querem “ser quando crescer”. Mas também existem pessoas que não possuem essa percepção tão aguçada. E convenhamos, o mundo está mudando a uma velocidade enorme, fica realmente complicado exigir isso delas. Hoje em dia são tantas possibilidades, o que dificulta ainda mais a tomada de decisão assertiva. Os pais precisam ficar atentos para perceber se estão influenciando os filhos nesta escolha. E se esta influência é positiva ou não. Muitas vezes os filhos escolhem as profissões por admiração aos pais, ou para serem os sucessores de seus negócios, ou porque seus pais esperam que eles sejam advogados, médicos, administradores, ou ainda, porque acreditam que determinadas profissões não “dão dinheiro”.

Quantas pessoas se formam, exercem a profissão por um período e de repente se vêem insatisfeitas com o que fazem? Começam então os conflitos internos, surge aquele sentimento de frustração, de tempo perdido, dúvidas. Obviamente tiveram aprendizados nesta jornada, mas o investimento de tempo e recursos financeiros poderia ter sido economizado.

Perceba como os números são alarmantes:

  • Estudos indicam que 72% dos profissionais estão insatisfeitos com suas carreiras, por diversos fatores: não se sentem reconhecidos, não se adaptam ao ambiente de trabalho, ou não gostam do que fazem;

  • 7 em cada 10 profissionais estão insatisfeitos com sua carreira;

  • De acordo com o último Censo Escolar, apenas 22% dos alunos que se matricularam no primeiro ano nas universidades públicas conseguiram se formar em 2014;

  • Ainda conforme o Censo, 49% dos alunos que ingressaram no ensino superior em 2010 abandonaram seus cursos dentro de um período de cinco anos. Nas instituições privadas a evasão chegou a 53% e nas públicas, a 47%;

Certamente há vários fatores que contribuem com este cenário, como a metodologia de ensino da universidade, condições financeiras e socioemocionais, restrições de financiamento, despreparo do aluno para acompanhar as aulas, falta de conhecimento sobre a profissão escolhida, falta de identificação com o curso, dentre outros.

Quanto mais os jovens puderem ser amparados e orientados na fase da escolha, menores serão as chances de seguirem por um caminho tortuoso.

É por isso que hoje eu trago esta questão aos pais ou responsáveis desses jovens. Deixo aqui um convite à reflexão sobre a importância de estimulá-los a se conhecerem, saberem quais são seus verdadeiros talentos, pontos fortes, pontos de melhorias, limitações.

Todas as pessoas possuem dentro de si infinitos recursos e podem contribuir significativamente com o mundo, desde que estejam conectadas com a sua verdadeira essência, canalizando a energia e disposição ao verdadeiro propósito de cada um.

Pense nisso!

Por Thaís Alencar – RHF Talentos Unidade Mogi das Cruzes

Uma boa comunicação pode impulsionar a carreira corporativa

Não se trata apenas de saber se vender no mercado; a capacidade de lidar com colegas e equipes é fundamental para estimular o desempenho e a produtividade.

Que a comunicação é primordial, na vida particular e no mundo corporativo, não há a menor dúvida. A capacidade de expressar ideias e mobilizar outras pessoas é essencial para construir relacionamentos, educar filhos, formar equipes, superar concorrentes. Mas existem alguns mal-entendidos a respeito dessa competência tão importante.

Um dos mais comuns é: comunicar-se bem significa falar bem. Não necessariamente. “Saber ouvir é uma qualidade indispensável e pouco encontrada no mundo corporativo”, afirma Mara Behlau, professora do Insper, especialista em voz e consultora em comunicação humana. “Muitas vezes, as pessoas falam sem parar e têm certeza de que o outro entendeu.”

A professora lembra que, em diversos casos, a fala excessiva surge da necessidade que muitos profissionais sentem de se mostrar ativos. “Um gestor extrovertido parece muito participativo, mas também repetitivo. O introvertido é mais observador, porém parece desinteressado, sem opinião.” O ideal, diz ela, é ser ambivertido: “Há momentos para observar e momentos para se expor, trazer ideias”.

Diferentes linguagens
Outro equívoco muito presente nas empresas é acreditar que o talento técnico supera a capacidade de comunicar. Na verdade, os dois são complementares. “As pessoas são contratadas por habilidades técnicas e são demitidas por questões comportamentais”, observa Mara. Afinal, de pouco adianta saber realizar o trabalho se o profissional não consegue se expressar com clareza, seja com os colegas, os gestores, os fornecedores ou os clientes. Ou, o que é pior, não escuta o que eles têm a dizer nem percebe suas peculiaridades e necessidades.

Quem se expressa bem e desenvolve a capacidade de ouvir acaba tendo mais chances de ser promovido e convocado para projetos mais complexos. Também colabora para que o ambiente de trabalho seja mais agradável, com profissionais que atuam em conjunto de forma engajada e produtiva.

“Estamos vivendo uma nova economia, baseada no compartilhamento. Tudo no mundo dos negócios depende da capacidade de construir relações”, afirma Leni Hidalgo Nunes, professora do Insper nos temas de liderança e gestão de pessoas. Ela lembra que, à medida que evoluem no trabalho, os profissionais precisam ainda mais dessa habilidade. “Para as pessoas que subiram na carreira, a comunicação é essencial, porque existe o risco do isolamento.”

Em um cenário em que existem várias linguagens disponíveis, com suas características e limitações, é preciso aprender a lidar com cada uma. Por exemplo: há informações que podem ser repassadas por e-mail – em geral, comunicados formais, objetivos, com instruções claras. Mensagens urgentes podem seguir por aplicativos como o Whatsapp. Reuniões servem para mobilizar pessoas, mas precisam ter propósitos visíveis e horário para terminar. Palestras e cursos motivam e são eficientes para atualizar os colaboradores com informações novas. Cada um desses recursos pode ser usado de diferentes maneiras, seja para manter as equipes motivadas, seja para lidar, de forma direta e transparente, com situações de crise.