A importância da gestão de talentos

Fazer uma boa gestão de talentos nunca foi tão importante. Com ela, é possível alinhar os profissionais e equipes, além de melhorar o clima organizacional e elevar o entusiasmo na busca por grandes resultados. Assim, tanto empresa quanto talentos são beneficiados.

Em suma, pense na gestão de talentos como um conjunto de práticas para atrair e reter os profissionais certos, além de organizá-los em torno de equipes complementares e promover o entusiasmo no trabalho. Portanto, isso é algo amplo, que exige dedicação e conhecimento.

Tendo em vista a importância no assunto, nos próximos tópicos explicaremos melhor qual a importância da gestão de talentos, como aplicá-la e quais erros não cometer. Acompanhe!

Qual a importância da gestão de talentos?

Pensar na gestão de recursos humanos como um “mal necessário” é um grande equívoco e pode colocar a sua empresa em uma posição de desvantagem competitiva. A razão é simples: são os funcionários que fazem seu negócio funcionar e permitem o alcance de metas.

Em vista disso, as práticas tradicionais de recursos humanos foram aperfeiçoadas e deram espaço para algo novo: a chamada gestão de talentos. Essa gestão olha para os funcionários como verdadeiros parceiros do negócio e permite o alcance de grandes benefícios, como:

  • a maior atração de profissionais competentes;
  • a redução de índices de rotatividade, assiduidade e presenteísmo;
  • o aumento do número de talentos promotores da marca;
  • a construção de equipes alinhadas e com habilidades complementares;
  • o fortalecimento da cultura organizacional.

Em última análise, esses vários benefícios promovem a construção de um negócio mais competitivo, capaz de se destacar da concorrência e fornecer uma melhor experiência aos clientes finais. Assim, todos — funcionários, times e empresa — tornam-se beneficiados.

Como aplicar a gestão de talentos ao longo do expediente?

Fazer uma boa gestão de talentos depende de algumas coisas, como visão estratégica, preocupação com o bem-estar dos colaboradores e adoção de boas tecnologias. Felizmente, essas não são coisas difíceis e podem ser aplicadas em qualquer empresa. Veja nossas dicas.

Contrate com base no fit cultural

O primeiro passo é reforçar todo o processo de recrutamento e seleção, garantindo que somente pessoas alinhadas à sua cultura organizacional sejam integradas ao quadro de trabalho. Na prática, isso é chamado de fit cultural (em tradução, encaixe cultural).

Nesse aspecto, não basta olhar para competências técnicas: ter a formação certa, falar um segundo idioma e saber usar o Excel não determinam uma boa aquisição. É preciso ir mais fundo, avaliar competências comportamentais e validar o encaixe à cultura do negócio.

Para tanto, é crítico fazer uma boa análise de perfil comportamental. Isso permite compreender melhor o perfil do candidato, verificar se ele conta com aderências ao time de trabalho e alinhamento aos valores do negócio. Assim, sua contratação será precisa.

Desenvolva um programa de construção de equipe

Outro ponto importante é desenvolver programas de construção de equipes. A ideia é que os funcionários sintam-se cada vez mais próximos, comprometidos e bem alinhados, como um verdadeiro time de trabalho (e não somente um grupo).

Há muitas práticas úteis à construção de equipes, como a melhoria da comunicação entre os colaboradores e a adoção de encontros de alinhamento. O uso de dinâmicas em grupo e jogos ao ar livre também pode ajudar, visto que os talentos passam a interagir mais entre si.

Invista em treinamento e desenvolvimento

Uma boa gestão de talentos entende que o aprendizado é algo crucial, bem como que os times e funcionários devem melhorar de forma contínua. Exatamente por isso, a aplicação de programas de treinamento e desenvolvimento é algo que não pode ser deixado de lado.

Para definir o melhor treinamento, é importante olhar para as competências que precisam ser desenvolvidas. Se seus talentos ainda não fazem boas negociações, por exemplo, é ótimo desenvolvê-los nesse sentido. Então defina os treinamentos identificando incompetências.

Também é importante contar com a ajuda das tecnologias e métodos de aprendizado, de modo que a capacitação torne-se mais leve e eficiente. Um bom exemplo é o uso da técnica de gamificação, na qual elementos lúdicos (de jogos) são adotados nos treinamentos.

Reforce a comunicação interna empresarial

Na gestão de talentos, a comunicação é um elemento essencial. Quando o diálogo ocorre com qualidade, o número de erros, problemas e conflitos é menor. Os talentos ainda passam a se sentir mais bem alinhados e valorizados, o que promove muitos benefícios.

A melhoria da comunicação depende de duas principais coisas: do comprometimento de todos, sobretudo dos líderes, em dialogar com qualidade; e da adoção de canais que facilitem a transmissão do que é dito, como aplicativos mobile e redes sociais corporativas.

Promova boas oportunidades de crescimento

Nenhum talento deseja ficar anos no mesmo cargo e sentir que não está crescendo dentro da empresa. Quando não existe perspectiva de crescimento, o entusiasmo dos profissionais e equipes tende a ser menor. A rotatividade (turnover) só tende a crescer.

Para promover a percepção de crescimento, crie um plano de cargos e salários. Esse plano deve deixar claro os cargos que podem ser galgados por cada talento, bem como respectivas remunerações (salário + benefícios) em cada posição.

Na prática, o crescimento dos funcionários deve ocorrer em função de três variáveis: o tempo de “casa”, o alinhamento aos valores da empresa e os resultados entregues. Ao olhar esses aspectos, fica mais fácil definir quem merece (ou não) receber uma promoção.

Quais erros nunca cometer ao gerenciar talentos?

Ao longo da gestão de talentos, alguns erros podem ser críticos e promover uma série de prejuízos — por exemplo, ao minar a relação entre empresa e seus funcionários. Por esse motivo, também é importante conhecer erros que não devem ser cometidos. Veja, agora:

  1. microgerenciar a rotina dos profissionais e equipes;
  2. deixar de lado questões como bem-estar e clima organizacional;
  3. nutrir um modelo de liderança que não é exemplar;
  4. recompensar as pessoas com base na proximidade (e não nas entregas feitas);
  5. não fornecer feedbacks que orientem a melhoria dos talentos.

Veja, agora você está por dentro do assunto, sabe o que é gestão de talentos, como aplicá-la ao longo do expediente e quais erros nunca cometer. Lembre-se que há muitas vantagens associadas ao assunto, tanto ao negócio quanto aos profissionais, como a melhoria do clima de trabalho, a construção de equipes de ponta e o fortalecimento da cultura organizacional.

Fonte: VB Blog

Deixe um comentário